biblioteca

Preços das commodities agrícolas ainda sob pressão em 2016, avalia banco ABN Amro

Publicado em 23/12/2015

Um ano ruim para as commodities agrícolas em 2015. Considerações feitas no relatório do ABN Amro e  replicadas pelo site Agrimoney.com.

A análise também considera que 2016  será de mais fraqueza para grãos, mas faz uma ressalva,  considerando mudanças no cenário se a safra for marcada pela atuação da La Nina (fenômeno que resfria as águas do oceano Pacífico e traz alterações no clima em todo o planeta).

O banco, em sua primeira previsão para a soja no próximo ano, diz que os preços irão “permanecer sob pressão”, influenciados ​​por “altos níveis de estoque”, que ajudaram a tornar 2015 um “ano ruim para as commodities agrícolas. “Como as coisas estão, não prevemos um aumento para a oleaginosa em 2016,” disse o analista da ABN Amro, Frank Rijkers. “Os preços vão permanecer nos atuais patamares, níveis considerados relativamente baixos no mercado internacional.”

Para a soja, o banco prevê cotações em Chicago trabalhando o primeiro semestre em cerca de US$ 8,75 por bushel, estimativa abaixo do que os investidores estão precificando atualmente (entre US$ 8,85 a US$ 8,90 entre janeiro e junho).

“Os estoques de soja … são suficientemente elevados para manter os preços sob pressão”, disse o Rijkers, lembrando que o Departamento de Agricultura dos EUA prevê estoques no final da safra 2015-16 ,  equivalente a cerca de 27% do consumo.

A relação estoque/consumo , que mostra a disponibilidade de uma mercadoria, é vista como um guia chave de preços, indicando como os compradores sutilmente são susceptíveis de ter de pagar para garantir o abastecimento.

Além disso, o relatório considera que as eleições na Argentina marcam  o início de um regime de exportação mais livre o que vai permitir  pressão extra nos preços da soja.

Milho

Para o milho, as previsões do ABN não são tão “sombrias” como para outros produtos.

O banco prevê preços Chicago trabalhando em torno de US $ 4,15 por bushel no próximo ano, um nível acima da atual curva de futuros.

Trigo

Para o trigo, o ABN prevê  Chicago vai fechar o próximo ano em US $ 5,00 por bushel, abaixo do US$ 5,18  que o contrato de março 2017 foi negociado na última segunda-feira (21).

O banco sinalizou que o USDA (Departamento de Agricultura dos EUA) prevê uma relação estoque/Consumo “acima dos 30% pela primeira vez desde 2009-10”, refletindo “enormes” estoques.

Alerta

O relatório considera também que os preços poderão revelar-se mais dinâmicos se o atual El Nino, que é favorável para produção de grãos em muitas regiões, for seguido de perto por um La Nina, como sempre tem acontecido. “O La Niña poderia provocar seca nas mais importantes áreas de produção de milho nos EUA”, disse ele. “A queda resultante na produção poderia criar potencial ascendente dos preços.”

 A mudança nas condições climáticas também representa “um risco para o trigo e soja, nomeadamente nas principais áreas de produção, tais como o Mar Negro ou na América Latina”.

 

Notícias Agrícolas com informações Agrimoney.com

Fonte: Notícias Agrícolas