Soja

Pós colheita e armazenamento de grãos

Secagem e Armazenamento de Grãos – Curso Agronomia/IESA- Prof. Danilo Cesar
1Profa. Marisa A. B. Regitano d’Arce
Depto. Agroindústria, Alimentos e Nutrição ESALQ/USP
1.INTRODUÇÃO

Embora em outros países como a França, Argentina e Estados Unidos, a armazenagem em nível de fazenda represente de 30 a 60% da safra, no Brasil, esta prática não é muito difundida, apresentando um percentual pouco expressivo de aproximadamente 5-%. Diversos fatores contribuem para esse baixo índice, destacandose dentre eles, o econômico,. Este ano o Governo Federal está liberando R$500 milhões de reais para o MODERINFRA, financiamento que visa a renovação ou a instalação de novos armazéns particulares.

Em outros países, onde a produção de grãos constitui uma das principais fontes de divisa, a seqüência do sistema de armazenagem principia na fazenda e evolui para os armazéns coletores, intermediários e terminais. No Brasil observa-se exatamente o contrário, porque a estrutura de armazenagem principia nos terminais e intermediários coletores, geralmente representados pelas cooperativas, resultando numa atividade tipicamente urbana.

De uma previsão de uma colheita de 130 milhões de grãos para a safra 2003/2004, a capacidade de armazenamento estática está em 94 milhões, o que confere-nos, um déficit de 36 milhões. Além disso, há que se considerar que 51% da capacidade estática cadastrada na CONAB é de armazéns convencionais e 49% de armazéns e silos graneleiros; b) ainda há depositado nos armazéns e silos, excedentes não comercializados de outras safras, o que significa que essa capacidade anunciada não está totalmente disponível para a safra desse ano, e c) o fato de que os armazéns não estão adequadamente localizados nas regiões de maior demanda, um problema cada vez mais grave nas regiões de fronteiras agrícolas.

Acredita-se, que uma unidade armazenadora, técnica e convenientemente localizada, constitui uma das soluções para tornar o sistema produtivo mais econômico. Além de propiciar a comercialização da produção em melhores períodos, evitando as pressões naturais do mercado na época da colheita, a retenção de produto na propriedade, quando bem conduzida, apresenta inúmeras vantagens. Dentre elas devem ser citadas:

– Minimização das perdas quantitativas e qualitativas que ocorrem no campo, peloatraso da colheita ou durante o armazenamento em locais inadequados.

– Economia do transporte, uma vez que os fretes alcançam seu preço máximo no “pico de safra”. Quando o transporte for necessário, terá o custo diminuído, devido à eliminação das impurezas e do excesso de água pela secagem.

– Maior rendimento na colheita por evitar a espera dos caminhões nas filas nas unidades coletoras ou intermediárias.

– Melhor qualidade do produto, evitando o processamento inadequado devido ao grande volume a ser processado por período da safra, por exemplo a secagem à qual o produto é submetido, nas unidades coletoras ou intermediárias.

– Obtenção de financiamento por meio das linhas de crédito específicas para a pré-comercialização.
Avaliação das Perdas
Perdas durante a colheita mecânica

O emprego das colhedoras mecanizadas, combinadas veio solucionar o problema da colheita de grãos, em grande escala. Entretanto, é importante observar que o produtor, após cobrir todas as despesas com mão-de-obra, aquisição de sementes, fertilizantes, defensivos e equipamentos, pode perder no campo, com a colheita mecânica, 50% do lucro líquido.

No caso da soja, 10% ou mais dos grãos pode permanecer no solo, após a colheita, em decorrência da falta de regulagem e velocidade não correta da colhedora. Há problemas, também, com relação ao porte da planta. Assim, para variedades de soja precoce, que produzem vagens a pouca altura do solo, as colhedoras devem ser equipadas com barra de corte especial e que, nem sempre é empregada, segundo observações de técnicos no setor.

Perdas após a colheita

Nos países desenvolvidos, os problemas da colheita, armazenamento e manuseio (secagem, limpeza, movimentação, etc.) de grãos, constituem objeto de estudo permanente, visando prolongar a vida comercial dos produtos. Uma prioridade das nações mais pobres deve ser a redução do trágico desperdício que se verifica a partir das colheitas; por falta de silos adequados, secagem mal processada, transporte inadequado, controle de qualidade, etc. As técnicas destinadas a resolver tais problemas são, em geral, simples e não muito dispendiosas.

Os investimentos realizados na implantação de silos adequados, com sistema de aeração e o emprego correto de defensivos, produzem efeitos substanciais e rápidos na ampliação do suprimento de grãos. O que seria aproveitado com melhores condições de armazenamento nos países subdesenvolvidos e em desenvolvimento, corresponderia ao total de alimentos necessários para atender a população subnutrida do mundo.

Para avaliar as perdas que ocorrem nos grãos, devemos distinguir dois tipos de danos que, de modo geral, são classificados da seguinte forma: a perda física ou quebra e a perda de qualidade.

Perda física ou quebra: ocorre quando o produto sofre uma perda de peso pelos danos causados, principalmente por ataque de insetos. Outros agentes como os roedores e pássaros apresentam, regra geral, níveis baixos de ação quanto à perda de peso.

Perda de qualidade: é aquela que ocorre quando as qualidades intrínsecas, essenciais do produto, são alteradas, principalmente, pela ação de fungos, os quais causam fermentações, modificações organolépticas (alterações do gosto e cheiro natural do produto) e redução do valor nutritivo dos grãos. As contaminações por matérias estranhas e outros danos que afetam a qualidade da matéria-prima para a agroindústria estão incluídas entre as perdas de qualidade.

Deve-se considerar, outrossim, que o ataque de insetos afeta, também, a qualidade do produto, pois favorece as infestações de fungos, em virtude das perfurações, que permitem a penetração desses microrganismos. O envoltório externo ou casca dos grãos constitui uma barreira natural às infestações dos fungos. Por outro lado, o ataque de fungos, acelerando o processo deteriorativo, produzindo grãos ardidos e mofados, reduz consideravelmente o peso dos grãos. Um grão de milho ardido pesa menos da metade de um grão sadio do mesmo tamanho.

 

Fonte: http://pt.scribd.com/doc/2522251/POS-COLHEITA-E-ARMAZENAMENTO-DE-GRAOS