Produtivo

Plantio e Replantio

A fase de instalação de um seringal correspondente ao plantio da muda deve ocorrer a partir do início do período chuvoso.
MUDAS DE RAIZ NUA – São aquelas conhecidas por toco enxertado convencional, mini toco e toco alto ou tricomposto e que para serem plantadas deve-se observar os seguintes cuidados:

Abrir com auxílio de um espeque um furo no centro da cova de modo a permitir maior contato da raiz pivotante com o solo, pra evitar a formação de bolsões de ar próximos da raiz;

Comprimir o solo em torno da muda;

Manter o solo da cova úmido após o plantio até o pegamento da muda, caso seja realizado num período de estiagem. No caso de toco alto, para um período sem chuva após o plantio, deve-se colocar 9 a 10 litros de água por cova a cada 4 dias. Também pode se fazer, o plantio em lameiro feito na cova e neste caso a compactação final é feita posteriormente.

MUDAS DE TORRÃO EM SACOS PLÁSTICOS – Em covas já reenchidas faz-se aberturas com tamanho suficiente para alojar a muda. O saco tem o fundo eliminado e o torrão juntamente com o que restou do saco é colocado na cova. A seguir firma-se o torrão com um pouco de terra e retira-se o restante do saco completando a cova até o coleto da muda.

Qualquer tipo de muda de seringueira após o plantio, necessita a formação de uma cobertura morta (mulching) em sua volta a fim de que possa ser mantida a umidade e temperatura adequada no solo. Entretanto em condições de temperaturas extremas (altas e baixas) a cobertura morta pode provocar danos na parte aérea da planta. Para evitá-las, a cobertura deve ser afastada da muda e com o início do período frio deve ser retirada completamente (CARMO et alii, 1985; Convênio CEPLAC/EMBRAPA, 1983; RRIM 1970/1974/1976 e SAMPAIO, 1984).

Ao ser plantada, a muda terá que ser colocada com a gema enxertada voltada para o nascente (para evitar a exposição do ao sol no horário de maior insolação do dia) no sentido dos ventos dominantes do local (pra evitar a quebra dos ramos e brotos do porta enxerto).

Para diminuir o efeito do porta enxerto na produção à medida que o painel de sangria se aproxima do solo, o enxerto ou a inserção do broto de enxertia deve ser posicionado 5 cm abaixo do nível natural do terreno, sem entretanto cobri-los com terra. O nivelamento é feito após suberificação do tecido do ramo da enxertia ao nível do solo (RRIC,1970 e SAMPAIO, 1984).

REPLANTIO

O replantio consiste na substituição das plantas mortas ou atrofiadas por mudas vigorosas e de bom desenvolvimento, de maneira que se consiga formar um plantio uniforme. Esta operação deverá ocorrer no início do período de maior precipitação pluviométrica, e essa prática pode ser feita durante o primeiro ano com mudas do mesmo tipo utilizadas no plantio.

No caso da utilização de material avançado de plantio (toco alto, toco tricomposto), o replantio pode ser feito até o 3º ano de implantação do seringal, desde que persistam percentagens acima de 10% de covas a serem replantadas. Considera-se exceção áreas, que após esse período, permaneçam com densidades muito baixas de plantas vivas ou grande número de plantas raquíticas (BERNARDES, 1982; EMBRATER, 1981 e RRIC, 1970).

Fonte: http://pt.scribd.com/doc/14730767/34/PRAGAS-DA-SERINGUEIRA