Pesca

Piscicultura ornamental: Um investimento de bom gosto

A origem dos peixes ornamentais está mais ligada ao tanque do que ao aquário, local onde os encontramos com maior freqüência. Na província de Niigata, no Japão, as carpas eram criadas em tanques no interior das casas para servirem de alimento nos meses de inverno, quando as vilas ficavam isoladas pela neve. A partir daí começaram a ser selecionadas as mutantes coloridas até se chegar aos Nishikigois, as famosas jóias que nadam.

Durante os grandes descobrimentos, formas exóticas de vida eram trazidas como presentes para os nobres do Velho Mundo. Entre estas formas estavam orquídeas, bromélias e peixes. Hoje os peixes que encontramos nas lojas têm basicamente duas finalidades: coleta e criação. Abordaremos aqui alguns tópicos sobre a criação de peixes ornamentais.

Essa atividade, além de lucrativa, colabora no combate à agressão à natureza. A criação de peixes ornamentais é usada no ataque às larvas de insetos e moluscos transmissores de doenças ao Homem, ajudando também no desenvolvimento de importantes estudos biológicos.
Do ponto de vista ecológico-evolutivo a coleta indiscriminada de peixes pode levá-los à extinção e alterar profundamente o equilíbrio do ecossistema aquático em que viviam, como exemplo, acabando com um elo da cadeia alimentar. Com a extinção de uma espécie, perderíamos um lote genético fundamental para a evolução dos organismos, ou seja, estaríamos diminuindo o banco de genes da natureza. Uma determinada espécie com sua carga genética é muito importante para o aparecimento de novas espécies e para futuras adaptações necessárias, devido a mudanças no seu meio ambiente.

No aspecto financeiro o assunto é mais agradável. O peixe ornamental é comercializado por unidade e não por quilograma, como os peixes criados a fim de servirem de alimento. Isso, naturalmente, eleva o seu preço, a ponto de existirem peixes ornamentais cuja venda de um único exemplar cobre o preço de um quilograma de tilápia ou carpa, por exemplo. Sem falar em exportação, pois o mercado externo é ávido por nossas espécies.

Corno em qualquer criação, as necessidades biológicas do peixe que será criado devem ser conhecidas. As mais importantes são as reprodutivas, pois cada espécie tem um comportamento. Alguns são territorialistas e devem ser criados em aquários isolados, enquanto outros devem ser separados logo após a desova para não se matarem ou comerem seus filhotes. Além disso, cada espécie necessita de um manejo diferente, que observe seus caprichos peculiares. Logicamente estes são os mais caros.

A vantagem da criação de peixes ornamentais é que podemos usar áreas restritas como aquários ou caixas d’água para obter uma produção comercial. As espécies reproduzidas em aquários, os alevinos, devem ser separados, passando por várias alevinagens até a comercialização. Geralmente são estufas com aquários e caixas d’água por onde os peixes vão passando até serem levados aos centros consumidores.

A criação em estufa requer um maior investimento, mas dependendo da espécie criada vale à pena. Os peixes ornamentais da família Cichlidae, a que pertence a tilápia nilótica, quando não coletados, são na maioria das vezes criados em estufas. Os famosos lebistes, para continuarem com as formas e cores que os tornam valiosos, são criados e selecionados em estufas. Quando se deseja selecionar uma variedade e assim aumentar seu valor, a estufa e os aquários são indispensáveis.

Os tanques também são muito utilizados na piscicultura ornamental e o grosso das espécies criadas e comercializadas nas lojas são criadas em tanques. Como exemplo temos as carpas coloridas e os kinguios; cujo manejo é o mesmo da carpa comum. Já outros peixes, quando criados em tanques, precisam de manejos especiais, pois devem ser considerados seus hábitos reprodutivos.

As plantas aquáticas usadas pelos aquaristas na decoração também podem se tornar uma fonte de renda. Elas são plantadas em tanques e conforme crescem são podadas, com o produto dessa poda sendo comercializado.

A piscicultura ornamental está restrita a poucos que, ao observarem experiências de criadores estrangeiros, passaram a investir no negócio e também a aquaristas que iniciando uma criação caseira tiveram suas atividades expandidas.
O pequeno número de criadores dedicados a peixes ornamentais, o grande mercado consumidor, o alto valor de comércio e a defesa do meio ambiente justificam o investimento neste tipo de criação.

Mario Donizeti Domingos Revista Aquacultura n? 3 (87)

Fonte: Revista Aquarista Junior nr. 18

http://www.peixesornamentais.info/index.php?option=com_content&task=view&id=644&Itemid=41