Pesca

Piscicultura – O conceito de proteína ideal na formulação para peixes

A aqüicultura é um dos setores da produção animal que tem se expandido mais rapidamente no mundo. Na ultima década, a produção mundial da aqüicultura aumentou de 6,7 para 20,9 milhões de toneladas. Porém, para o crescimento contínuo, é necessário que esta atividade seja econômica e ambientalmente sustentável, assim como empregar novas espécies e tecnologias adequadas.

Dentre todas as áreas na produção de peixes, a nutrição desempenha o papel mais importante. Nos últimos anos, tem surgido a preocupação em relação aos sistemas intensivos pela utilização de rações com elevados níveis de proteína causando, deste modo, aumento da poluição ambiental e onerando o custo final da ração. Além disso, o excesso de proteína na ração compromete o desempenho normal dos peixes.

No contexto de aqüicultura moderna, os pesquisadores têm direcionado seus estudos na busca de informações que possam contribuir para redução dos custos com a alimentação, que pode representar até 70% dos custos de produção, e minimizar os teores de proteína das dietas a fim de produzir o mínimo de resíduos provenientes do desperdício de ração e da excreção elevada de nutrientes.

Ainda é prática comum o emprego da proteína bruta em formulações de rações. Esta é estimada pela presença do nitrogênio total no alimento, que envolve muitos grupos de substâncias semelhantes mas com funções diferentes. Entretanto, para balanceamentos  de dietas  mais eficientes, tem se levado em conta os coeficientes de digestibilidade da proteína e dos aminoácidos dos alimentos.

Assim surge o conceito de proteína ideal, que é definido como o balanceamento de aminoácidos, sem excessos nem deficiências, de forma a atender às exigências para os processos manutenção e crescimento. Esta prática permite a suplementação com aminoácidos industriais (sintéticos), principalmente a metionina e lisina, favorecendo a redução do nível de proteína bruta das dietas, possibilitando melhoria no desempenho produtivo e menor custo com a alimentação.

Os aminoácidos essenciais são expressos em relação à lisina, usado como aminoácido referência, sendo normalmente o primeiro aminoácido limitante e ser facilmente encontrado na forma sintética. Além disto há significativa quantidade de informações sobre a sua concentração nos alimentos, digestibilidade e exigências para os animais, pelo baixo custo, pela rapidez de sua análise e por ser exclusivamente utilizado na deposição de proteína corporal.

A formulação de rações, aplicando o conceito de proteína ideal, fica simplificada. As exigências dos aminoácidos essenciais podem ser facilmente calculadas somente determinando a exigência de lisina do animal. Também, o conceito de proteína ideal pode ser adaptado à várias situações pois, ainda que as exigências absolutas de certos aminoácidos possam mudar por diversas razões, as proporções permanecem bastante estáveis.

Atualmente, o grande desafio na aqüicultura compreende o uso de rações completas, de alta densidade nutricional e com ingredientes de alta digestibilidade e palatabilidade que possam contribuir para manter a qualidade da água, redução na excreção de nitrogênio e, dessa forma, permitir a criação sustentável de peixes.

Autor: João Batista Kochenborger Fernandes- Professor e Zootecnista do Centro de Aquicultura da UNESP

Fonte: http://www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.asp?id=22302&secao=Colunas%20Assinadas