Tire suas Duvidas

Pasteurizar colostro? Saiba porque é necessário.

O colostro é o leite que sai em pequeno volume nos primeiros dias da amamentação após o parto na maioria dos mamíferos. Nele está contido todos os nutrientes necessários para a sobrevivência e desenvolvimento do filhote naquele momento, juntamente com proteínas, carboidratos, vitaminas e anticorpos prontos, já que o RN (recém- nascido) ainda não tem a capacidade de produzí-los sozinho. Ele também é a única substância capaz de auxiliar em uma total eliminação do mecônio (primeiras fezes do filhote) para uma maior velocidade de desenvolvimento do intestino.

Para proteção do filhote, principalmente em casos de mães com mastites infecciosas ou qualquer doença que possa ser passada para a cria, é aconselhado a pasteurização desse leite.

Essa pasteurização é um tratamento térmico feito em banho-maria para um controle maior da temperatura, sendo que esta deve se manter à 56ºc durante sessenta minutos. Durante o tempo do procedimento é necessário sua homogeinização e o nível de água do recipiente externo deve ficar acima do nível da amostra para uma melhor distribuição de calor por toda ela, mas mesmo com os devidos cuidados, se o valor do termômetro que estará aferindo a temperatura do colostro variar, o recipiente é retirado ou recolocado no fogo.

O colostro deve ser colhido pelas primeiras 24 horas após o parto e congelado até que se tenha um volume ideal para o tratamento do mesmo e após esse tratamento ele é deixado resfriar lentamente e recongelado em volumes pequenos (100 a 200 ml) para conservação e uma futura utilização.

Devido esse aumento da temperatura, algumas enzimas e anticorpos não resistem e se desnaturam, mas é utilizada a regra “custo/benefício”, pois se ministrado o colostro contendo micro-organismos patogênicos ao filhote poderá causar grandes prejuízos a sua saúde.

Fonte: Caprileite