O Fósforo na Cultura da Cana-de-Açúcar

Autor: Márcio Luiz Chaves, Estudante de Graduação da UFLA, membro da Equipe ReHAgro

O fósforo (P) é o elemento que mais limita o crescimento de uma planta. Atua na fotossíntese, na respiração, no armazenamento e transferência de energia e na divisão celular. O suprimento adequado de P desde o início do desenvolvimento vegetal é importante para a formação dos primórdios das partes reprodutivas. O P promove a formação e o crescimento prematuro das raízes. Em áreas com históricos de veranicos e em épocas que ocorram déficits hídricos o rápido desenvolvimento do sistema radicular é fundamental, pois assim, as raízes penetram nas camadas mais profundas, com maior disponibilidade de água (Barnes, 1974; Raij, 1987; Lopes, 1987).

Apesar de, comparativamente aos outros nutrientes, o fósforo ser exigido em menores quantidades (Tabela 1) são necessárias adubações pesadas com esse nutriente, devido aos solos brasileiros serem naturalmente pobres nesse nutriente, além de sua grande habilidade de reagir com outros nutrientes, como Al, Ca, Fe; silicatos e argilas, formando compostos insolúveis (Lopes, 1989; Suguitani, 2001).

TABELA 1: Extração e exportação de nutrientes para a produção de 100 toneladas de colmos

 

Fonte: Adaptado de Orlando Filho, 1993
Observação: Para converter o P para P2O5 multiplica-se o P por 2,29

Após a adequada correção da acidez do solo o passo seguinte para a implantação do canavial é a adubação corretiva, se necessária. De posse da análise detalhada do solo a decisão da necessidade, ou não, da correção será tomada.

Quando novas áreas são incorporadas ao sistema produtivo e quando altas produtividades são almejadas a necessidade de correção dos teores naturais de P no solo é fundamental. A fosfatagem, como prática corretiva, tem por objetivo elevar os teores de fósforo no solo, potencializando a adubação de plantio. A aplicação combinada de 200 kg.ha-1 de P2O5 em área total no pré-plantio, seguida por 100 kg.ha-1 de P2O5 no sulco de plantio proporcionou um incremento de 32% na produção de colmos por hectare quando comparada com a aplicação de 300 kg.ha-1 de P2O5 no sulco de plantio (Souza, 2002; Vitti, 2003).

Por tratar-se de uma cultura semiperene a cana requer quantidades de nutrientes ao longo do ciclo, em média cinco anos. A adubação corretiva fornece quantidades de P que serão, gradativamente, disponibilizadas para a cultura. De maneira geral, o valor residual de fertilizantes fosfatados solúveis em água, em relação ao efeito imediato no ano da aplicação, é de 60%, 45%, 35%, 15% e 5%, respectivamente, após um, dois, três, quatro e cinco anos da aplicação do fertilizante (Souza, 1987; Souza, 2002).

O monitoramento anual através de análise do solo, diagnose visual e análise foliar são ferramentas importantes para o acompanhamento do estado nutricional do canavial quando espera-se altas produtividades. Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo antes de tomar decisões na implementação e condução de seu canavial.

Referências bibiográficas:

Barnes, A. C. – The Sugarcane. 2a ed., International Textbook Limited, Londres, Inglaterra, 1974.

Lopes, A. S. – Manual de Fertilidade do Solo, São Paulo, ANDA/Potafós, 1989, 153 p.

Orlando Filho, J. Calagem e adubação da cana de açúcar. In: Câmara, G. M. S. & Oliveira, E. A. M. (eds). Produção de cana-de-açúcar. Piracicaba: FEALQ/USP, 1993. p. 133-146.

Souza, D. M. G. de; Volkweiss, S. J.; Castro, L. H. R. Efeito residual do superfosfato triplo em função da granulação e dose e do sistema de preparo do solo. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1987. 5 p.

Souza, D. M. G. – Cerrado: correção e adubação. Planaltina, EMBRAPA Cerrados, 2002, 416 p.

Suguitani, C. Fenologia da cana-de-açúcar (Saccharum sp.) sob o efeito do fósforo. Piracicaba, 2001. 79p. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) – Escola Superior de Agricultura “Luis de Queiroz”, Universidade de São Paulo.

Vitti, G. C. – Nutrição e adubação da cana-de-açúcar. In: Curso Agrícola “Uso eficiente de fertilizantes na cana-de-açúcar” Araçatuba: UFSCar, 2003, 28 p.

 

Fonte: http://www.rehagro.com.br/siterehagro/publicacao.do?cdnoticia=115