Pecuária

O Agronegócio da Carne Caprina na Argentina: Em busca de espaço no mercado internacional

Roberis Ribeiro da Silva*

O rebanho caprino da Argentina, segundo o censo nacional agropecuário do ano de 2002 alcança 3.404.190 cabeças, conforme Tabela 1. Entretanto outras fontes do próprio governo citam que o efetivo caprino é de 3.964.146 cabeças.  A cadeia produtiva da caprinocultura de carne não é tão competitiva quanto à ovinocultura, mas algumas províncias vêm se destacando nesta atividade como: Chaco, Neuquén e Santiago del Estero.

Os rebanhos caprinos na Argentina se localizam mais nas áreas árida e semi-árida. Na província de Chaco, encontra-se em execução o Projeto de Ganadeno del Noroeste Chaqueno (PROGANO), em parceria com governo de Trento na Itália. Este projeto engloba um frigorífico, centros de capacitação e programa sanitário. Atenderá cerca de 4.690 produtores da região, numa área de 4.275.500 hectares, que representa 57% do total desta província. Também se encontra nesta região um rebanho de aproximadamente 244 mil cabeças.

O frigorífico integrado ao PROGANO está apto a exportar para União Européia segundo SENASA e é administrado pela Cooperativa de Trento Chaquenã Limitada. Sua capacidade de armazenagem é de 700 cabeças resfriadas e 4.200 cabeças congeladas, sua capacidade de abate é de 400 cabeças por turno, possui um depósito de couros de 200 metros quadrados e um reservatório com mais de 240 mil litros de água.

Penso que projetos desta natureza são interessantes para ser visitados por produtores, associações e governos municipais e estaduais do nordeste brasileiro.

Tabela 1. Efetivo caprino por províncias, 2002

Províncias

Quantidade

(cabeças)

Buenos Aires 2.800
Catamarca 156.600
Chaco 259.200
Chubut 96.00
Córdoba 200.700
Entre Rios 11.700
Formosa 132.100
Jujuy 178.000
La Pampa 66.400
La Rioja 111.800
Mendoza 477.900
Neuquen 617.000
Salta 256.700
San Juan 73.190
San Luis 135.200
Santa Fe 41.600
Santiago del Estero 420.600
Tucumán 25.000
Total 3.404.190

Fonte: SAGPyA, 2004


O abate de caprino em 2002 aumentou em 41,76% comparado ao ano de 2001. A tendência de elevação dos abates permanecem nos dois primeiros meses de 2003 conforme tabela 2.

Tabela 2. Comparativo dos abates caprino nos anos de 2001, 2002 e 2003

Meses/Ano 2001

(cabeças)

2002

(cabeças)

Variação

(%)

2003 Variação

2002/2003

(%)

Janeiro 11179 11597 3,74 19094 64,65
Fevereiro 6127 6151 0,39 9951 61,78
Março 4759 6267 31,69
Abril 4721 11652 146,81
Maio 4390 10399 136,88
Junho 6021 8614 43,07
Julho 8001 12012 50,13
Agosto 7126 7116 -0,14
Setembro 5706 8025 40,64
Outubro 7602 9058 19,15
Novembro 14179 18479 30,33
Dezembro 41616 62768 50,83
Total 121427 172138 41,76

Fonte: SENASA, 2004

Os abates caprinos no ano de 2002 como se apresenta na tabela 3. tem uma maior concentração na província de Córdoba com 85.256 cabeças abatidas representando 48%, seguido da província de Mendonça com 68.832 animais.

 

 

Na tabela 4 observa-se o número de frigoríficos, abatedouros e entrepostos privados e públicos de caprinos existentes neste país. Contudo, não quer dizer que todos estes estabelecimentos estejam operacionalizando abates a níveis satisfatório ou mesmo fechados. O interessante é saber que na Argentina o abate clandestino de caprino não é uma atividade que ameaça os empreendimentos privados e a segurança alimentar, ao contrário do que acontece no Brasil e principalmente no nordeste. O abate clandestino de caprino só será combatido quando o ambiente institucional da cadeia produtiva, ou melhor, o aparato legal representado pelo poderes público municipal e estadual, disponibilizar equipamentos para abater caprinos e ovinos em seus abatedouros municipais ou mesmo construindo pequenos abatedouros para abates de caprino e ovinos nas áreas onde a atividade caprina e ovina é a principal fonte de agronegócio.

Tabela 4.  Lista das plantas agroindustriais de caprinos

Razão Social Localidade Província
1. Matadero Brunt S.R.L. Gaiman Chubut
2. Matadero Frigorífico San Rafael S.A El Tropezon Mendoza
3. Maxifarm S.A. General Pico La Pampa
4. Mister Food S.A. Canuelas Buenos Aires
5. Moyano Antonio del Rosario Dean Funes Cordoba
6. Naser Hnos. S.A. Coquimbito Mendoza
7. Nuxtel SA Gaiman Chubut
8. Peruzotti Hermanos S.R.L. Dolavon Chubut
9. Roxana Noemi Cristante Pilar Santa Fe
10. San Javier Caprinos S.R.L. Villa Dolores Cordoba
11. Establecimiento Jesús Maria S.R.L Machagai Chaco
12. Frigorífico los Nogales S.R.L Jesús Maria Cordoba
13. Frigorífico U. Ca. Co. SRL General Conesa Rio Negro
14. Gianni Bragoli Gaiman Chubut
15. Hica S.A Nogoya Entre Rios
16. Infriba SA Barrio Batan Buenos Aires
17. Jesús Arroyo Sacia Bariloche Rio Negro
18. Juan Bautista Picco e Hijo S.R.L San Luis San Luis
19. Los Chanares S.A Villa de la Quebrada San Luis
20. Los Pinitos SA Cruz del Eje Cordoba
21. Agropecuaria Chenque S.A Comodoro Rivadavia Chubut
22. Agropecuaria San Jorge SA La Rioja La Rioja
23. Agrorres S.R.L Ayacucho Buenos Aires
24. Arminda Yamira Dip Plottier Neuquen
25. C Y L Farming S.A Puerto Madryn Chubut
26. Cabritera Ojo de Agua SRL Ojo de Aguia Santiago del Estero
27. Carlos Maria Abdala Trelew Chubut
28. Coop. Trento Chaqueno Ltda Resistencia Chaco
29. Cooperativa Agropecuária Centenário Limitada Neuquen Neuquen
30. Distribuidora de Carnes Del Sur S.R.L Trevelin Chubut
31. Subpga S.A.C.I.E. E.I Berazategui Buenos Aires

Fonte: SAGPyA, 2004

Apesar de existir algumas plantas agroindustriais funcionando com poucos abates ou mesmo em situação precária ou fechada, pode-se observar o desempenho de alguns frigoríficos caprinos com abates acima de 16.000 cabeças por ano, conforme tabela 5.

Mais uma vez insisto nas comparações com o agronegócio caprino do Brasil, salvo engano no momento não existe nenhum frigorífico brasileiro abatendo mais que 14.000 cabeças de caprino por ano.

Tabela 5. Desempenho dos frigoríficos de caprinos com abates acima de 16.000 cabeças/ano –  2001

Razão Social Localidade Provincia 2001
Fco. San Javier Caprinos V. Dolores Cordoba 26.074
Fco. Lãs Nogales Colon Cordoba 18.245
Antonio Del Rosário Moyono Dean Funes Cordoba 16.747
Los Pintos S.A Catrilo La Pampa 34.027
Matad. Fco. Reg. Malargue Malargue Mendoza 17.388

Fonte: SENASA, 2004

 

 

Tabela 3. Desempenho dos abates de caprinos nas principais províncias cabeças/ano –  2002

Províncias Abates

(em cabeças /2002)

Córdoba 82000
Mendonça 68832
Santiago Del Estero 15000
São Luis 4780
Buenos Aires 1526
Total 172138

Fonte: SENASA, 2004

Os números do agronegócio Argentinos nos possibilitam realizar algumas reflexões e comparações com a nossa cadeia produtiva caprina: Será que não seria o momento de municípios com populações caprina e ovina acima de 100.000 cabeças serem obrigados a ter um abatedouro no nordeste?  Porque o Brasil não consegue exportar carne caprina com um rebanho superior a sete milhões de cabeças? Porque projetos com mais de cinco anos de existência e recursos abundantes do poder público e privado como o de Pilar-Jaguarari e o de Jussara ambos na Bahia, ainda não deslancharam? Enfim, penso que o PROGANO da Argentina poderia ser um exemplo de parceria público – privado a seguir por alguns gestores públicos e privados do agronegócio caprino do nordeste brasileiro.

 

* Professor de Agronegócio da FTC e Presidente do Instituto Brasileiro de Estudos do Agronegócio Caprino e Ovino (IBRAECO)

 

Fonte: http://www.capritec.com.br/