No Dia Nacional do Café, Brasil é segundo maior país consumidor

24/05/2018

No dia 24/05 que é comemorado o Dia Nacional do Café e ele pode ser expresso, coado, filtrado, usado em doces e até em drinks. Seja qual for o modo de preparo, o grão é praticamente unânime entre os brasileiros. Maior produtor e exportador de café do mundo, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), o Brasil é o segundo maior país consumidor, ficando atrás dos Estados Unidos. O grão está presente em 98,5% dos lares brasileiros.

Há no mercado quatro tipos de café, que são o tradicional, que é do grão robusta, mais pobre e menos beneficiado. Esse é o mais vendido nos supermercados. Ainda da qualidade robusta, há o superior, que é um pouco mais selecionado. Já do tipo arábica há dois tipos de café, o gourmet e o especial. Os dois são grãos mais selecionados e passam por várias avaliações que resultam em notas de 50 até 100. Os grãos gourmet somam entre 50 e 79 pontos, já os especiais alcançam de 80 até 100.

O consumo interno de café no Brasil em 2017 foi estimado em 21,5 milhões de sacas, que correspondem a 1,07 milhão de toneladas, aproximadamente. As previsões para 2018 são ainda melhores, pois de acordo com a Abic, a produção pode chegar a um aumento de 30% em relação a 2017. Resultado: consumidores satisfeitos, aumento da qualidade e, é claro, os brasileiros tomando cada vez mais café, seja no tradicional pingado ou o rebuscado mocha.

É justamente a busca por maior qualidade que tem feito aumentar o número de cafeterias especializadas em cafés especiais e quando os clientes conhecem esses sabores e aromas mais acentuados, passam a ter o paladar mais crítico. Jhonson Portela, barista e proprietário do Santa Crema Café, primeiro estabelecimento de cafés especiais de Sorocaba, conta que nos últimos anos a concorrência tem aumentado na cidade e isso, aponta, é muito satisfatório, pois eleva o grau de exigência do consumidor. “Por muitos anos o brasileiro ficou com o pior café, pois como acontece com outros itens, os de melhor qualidade são exportados e nós ficamos com o que sobrou, mas isso vem mudando e as pessoas estão passando a conhecer melhor esse grão”, afirma o especialista.

Portela conta que em sua cafeteria o tradicional cafezinho expresso é o mais pedido e conta que para o preparo é necessário muita técnica do barista. A bebida, para ser ingerida na sua melhor forma, precisa ter 30 mililitros (ml), que é, explica o barista, a quantidade máxima que pode ser extraída do grão com todos os óleos essenciais do café e sem amargura. “Outro ponto importante para saber se o expresso foi bem feito é a espuma que se forma. Ela deve ser na cor caramelo, meio tigrada e precisa durar pelo menos dois minutos sobre a bebida”, conta Portella, que escolheu o nome de sua cafeteria justamente por conta dessa espuma do expresso, também chamada por crema.

O uso do café não só como bebida também vem cada vez ganhando mais espaço e recuperando uma função que tinha como especiaria há séculos. “Hoje o céu é o limite e diariamente surgem novas formas de preparação e uso para o café.” No Santa Crema, conta Portella, há sobremesas, café com creme de avelã, expresso servido na casquinha de sorvete e também a combinação do expresso com cachaça.

Consumo em dose única é uma tendência 

O consumo de cafés em monodose, ou seja dose única, é uma tendência de mercado irreversível, na avaliação de Luís Fernando Lemes, diretor do Café Santa Fé. Olhando sempre para o futuro e atuando na vanguarda no que diz respeito ao café, Lemes conta que a empresa passou a comercializar os cafés em cápsulas e em sachês em 2007 e isso é uma características das novas gerações. “É prático e evita desperdícios. O jovem de hoje não vai ferver água para coar café, ele prefere a cápsula”, afirma o especialista.

Atualmente são diversos tipos de café comercializados em cápsulas, que permitem que o consumidor prove vários sabores, alguns inclusive não convencionais, como descafeinados, sabor chocolate e cereais e até um emagrecedor. O Café Santa Fé lançou nesta semana também o chamado Fashion Café, que apresenta uma bebida mais clara e com nuances cítricas. “Isso vem de uma pesquisa de mercado que mostrou que o consumidor tem procurado produtos inovadores e diferenciados.”

Nas cafeterias da empresa — localizadas em Sorocaba e Campinas — há entre 15 e 20 tipos de blends prontos e o cliente, conta Lemes, ainda pode fazer as combinações como desejar. “Hoje o cliente é mais exigente e espera uma infinidade de opções, e é para isso que nós trabalhamos e investimos em variedade.” A Cafeteria Santa Fé Café fica no Galleria Shopping, na rodovia Dom Pedro I em Campinas e no Shopping Iguatemi Esplanada, na ala Sul, no piso térreo, na avenida Izoraida Marques Peres, em Sorocaba.

Fonte: Cruzeiro do Sul Online