Pecuária

Nem só de cálcio vive o leite.

Flávia Fontes
Médica Veterinária, D.Sc. Nutrição Animal
Editora-chefe da Revista Leite Integral e do Movimento #bebamaisleite
Diretora científica da ABRALEITE

Que o leite é a melhor fonte natural de cálcio, todos nós já sabemos. Mas nem só de cálcio vive o leite.

O leite contém uma composição perfeita de nutrientes, 9 deles essenciais (não são produzidos pelo organismo humano), que é dificilmente encontrada em outros alimentos.

Um copo de leite, não importa se integral, desnatado com ou sem lactose, supre as recomendações dietéticas diárias nas seguintes porcentagens:

Proteínas

O leite contém uma combinação perfeita de proteínas que, além de fornecerem aminoácidos essenciais, promovem a saciedade. Uma complementariedade de proteínas, de digestão lenta (caseínas) e rápida (proteínas do soro), faz do leite uma fonte consistente de aminoácidos para o crescimento e desenvolvimento das crianças. Outro benefício dessa simultaneidade proteica, exclusiva do leite, é a promoção da saciedade, ideal para quem precisa reduzir o consumo total de energia sem comprometer a nutrição. Estudos recentes evidenciaram as propriedades antimicrobianas de uma proteína altamente abundante no leite dos mamíferos, a lactoferrina. Chamada de “a proteína da vez”, a lactoferrina modula o sistema imune pela promoção da proliferação e ativação das células de defesa, protegendo o organismo contra infecções.

Gorduras

Enquanto a gordura trans industrializada (gordura parcialmente hidrogenada) pode aumentar os níveis de colesterol e se acumular nas artérias, a gordura trans presente nos lácteos pode trazer vários benefícios para a saúde, desde a prevenção da formação de tumores até a redução da porcentagem de gordura corporal.

Magnésio

O magnésio desempenha um papel fundamental em muitas das funções fisiológicas do organismo. O baixo consumo de magnésio tem sido implicado em uma série de problemas de saúde, incluindo síndrome metabólica, perda de massa óssea, declínio da função renal e depressão. A ingestão reduzida do mineral na dieta também está associada à pressão arterial elevada e a um maior risco de AVC, e deficiência de vitamina D. O leite e os produtos lácteos são uma das principais fontes alimentares de magnésio, particularmente para crianças. Alguns estudos mostraram que a lactose em produtos lácteos pode ajudar na absorção intestinal de magnésio.

Vitamina B12

Perda de memória, depressão, fadiga, letargia, perda de apetite, anemia, convulsões e demência são alguns dos sintomas apresentados por pessoas com deficiência de Vitamina B12. Esses quadros são relativamente comuns, especialmente em vegetarianos, veganos e pessoas com problemas de absorção intestinal dessa vitamina. Trabalhos recentes de pesquisa mostram que os lácteos são as principais fontes naturais de Vitamina B12. O segredo dessa maior biodisponibilidade parece estar em proteínas presentes nos lácteos que se aderem à vitamina, facilitando sua absorção intestinal e chegada ao sistema circulatório.

Vitamina K

Um estudo recente publicado no Current Developments in Nutrition relatou que os produtos lácteos integrais contêm múltiplas formas de um tipo pouco descrito de vitamina K, a K2, e outras pesquisas revelam papéis inesperados deste subtipo de vitamina na manutenção da saúde cardiovascular e óssea.

Zinco

O zinco é um nutriente crítico nos processos de divisão celular, metabolismo hormonal, síntese proteica e função imunológica sendo, portanto, também crítico durante o desenvolvimento fetal e do recém-nascido. O consumo materno de lácteos contribui para suprir as necessidades nutricionais de zinco, durante a gravidez e a amamentação, principalmente em populações com baixo consumo desse mineral.

Além desses nutrientes, o leite contém ainda uma série de outras substâncias que desempenham papéis fundamentais na promoção e manutenção da saúde humana. Nas próximas semanas, apresentarei detalhes do papel de cada um deles em nosso organismo.

Fonte: Abraleite