Soja

Negócios da nova safra de soja estão travados em todo o Brasil com preços pouco atrativos

Publicado em 03/10/2016

O plantio da safra 2016/17 de soja se desenvolve ainda de forma bastante irregular nos principais estados do Brasil dadas as atuais condições climáticas. As chuvas não se mostram bem distribuídas, segundo o relato de produtores rurais e consultores de mercado, o que trava não só os trabalhos de campo, mas também a comercialização da nova temporada. Segundo Vlamir Brandalizze, há pouco mais de 30% da soja já comercializada.

O consultor da Brandalizze Consulting afirma que, nas últimas quatro semanas, os negócios com a safra nova foram bem pontuais, com baixos volumes e mais como resultado de alguns produtores que não tiveram acesso ao crédito buscando ainda as relações de troca nas revendas. E essas operações, com a grande maioria dos sojicultores com seus insumos já comprados, se mostram mais frequentes nos estados centrais.

Para o consultor Ênio Fernandes, da Terra Agronegócios, há três fatores básicos que travam as vendas neste momento: a taxa de câmbio bem mais baixa do que a observada há alguns meses [quando foram feitos volumes maiores de negócios], um percentual já vendido que dá garantia ao produtor e a espera do mesmo pela confirmação de sua produtividade e, consequentemente, o quanto ainda poderá ser comprometido da nova safra.

Do dia 2 de maio ao último 30 de setembro, o preço médio da soja na Bolsa de Chicago apresentou um recuo de 8,45%. Ao se considerar o pico atingido em 10 de junho, de US$ 11,79 por bushel, a baixa acumulada é de 18,98%. Nos mesmos intervalos, o dólar registra recuos de 6,83% e 5,23%, respectivamente.

Dessa forma e focados na semeadura, os produtores esperam momentos mais oportunos para voltar às vendas, travando conforme os preços lhe trazem margens. De acordo com o consultor de mercado Flávio França Junior, da França Junior Consultoria, o último grande pico de negócio aconteceu no início de junho, quando os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago chegaram a se aproximar dos US$ 11,80.

“Temos agora um momento bem defensivo. Há duas semanas, quando o mercado se aproximou, novamente, dos US$ 10,00, tivemos algumas operações, mas com pouco avanço e bem pontuais”, afirma França.

Soja Chicago

Câmbio

Na região de Querência, em Mato Grosso, por exemplo, há algo entre 20% e 30% da nova safra já comercializada antecipadamente e, nos últimos meses, as vendas perderam bastante ritmo diante dos preços mais baixos, segundo relata o presidente do Sindicato Rural do município, Osmar Frizzo. “Hoje os preços não estão mais atrativos para a fixação”, diz.

O mesmo quadro pode ser observado em Sapezal, também no estado mato-grossense. “As comercializações foram há 90 dias, depois disso, não houve nem mais comentários de negociações futuras. Isso porque as commodities caíram e o custo aumentou, então o produtor acabou não fazendo novas fixações”, explica José Guarino Fernandes, presidente do Sindicato Rural local.

Na região, a média da soja convencial, nesses negócios antecipados foi de algo entre R$ 75,00 e R$ 76,00 por saca e as transgênicas entre US$ 20,00 e US$ 21,00.

Passando para o Paraná, onde o plantio está mais adiantado em função de melhores condições de clima e solo, os produtores também estão se dedicando mais ao plantio do que a novas vendas. Como Segundo explica Silvanir Rosset, presidente do Sindicato Rural de Guaíra, quem vendeu antecipado chegou a fixar preços na casa dos R$ 85,00 por saca na região. “Agora nem se fala em contratos. E os grandes desafios agora são o mercado e o clima”, conclui.

No Mato Grosso do Sul, a mesma situação. O maior volume de negócios saiu, na região de Ponta Porã, quando as cotações variavam entre R$ 75,00 e R$ 80,00 por saca. “Esse é um bom preço para os produtores daqui, quem teve essa possibilidade, fez a venda, mas foi pouco”, relata o técnico agrícola João Pedro Roma.

Novas Oportunidades

Para os três especialistas consultados pelo Notícias Agrícolas – Vlamir Brandalizze, Ênio Fernandes e Flávio França Junior – a atual postura defensiva dos produtores rurais brasileiros em relação à comercialização da nova safra é bastante acertada neste momento e novas e melhores oportunidades deverão aparecer mais adiante.

Com a colheita da nova grande safra dos Estados Unidos concluída, os preços em Chicago deverão se acomodar um pouco mais e aliviar a pressão sentida nas últimas semanas, ainda de acordo com os consultores. E é quando a atenção começa a se voltar para o clima na América do Sul, especialmente no Brasil, e deverá ser redobrada à movimentação do câmbio.

Segundo França, diferente do que aconteceu há aproximadamente dois anos e meio, o sojicultor deverá ter de garantir sua renda via preços em Chicago, uma vez que “do dólar não deverá vir nada de especial, parece que o câmbio está encontrando um equilíbrio”. No entanto, alerta ainda que esse não é um momento de fortes e consistentes altas na CBOT, já que a pressão da entrada da nova safra americana é inevitável.

E para que o produtor brasileiro se sentisse novamente atraído à novas vendas, o dólar deveria voltar, segundo Brandalizze, a atuar na casa dos R$ 3,50. Afinal, com a moeda americana nos atuais valores – na casa dos R$ 3,20 a R$ 3,25 – a referência no porto de Paranaguá, por exemplo, vai a R$ 78,00 para maio e, consequentemente, a algo entre R$ 63,00 e R$ 64,00 por saca no interior de Mato Grosso. “E nos melhores momentos, os preços se aproximaram de R$ 79,00 na região de Sorriso, por exemplo”, relata o consultor da Brandalizze Consulting.

“Há ainda muita coisa para acontecer. Juntos, Brasil, Argentina e Paraguai plantam 51% de toda a soja do mundo e esses países estão começando a plantar agora. Então, precisaremos acompanhar o clima na América do Sul para saber o que vem pela frente”, diz Fernandes. “Assim, o produtor agora tem bastante reticência em vender nos atuais preços”, completa.

Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas