Curiosidades

Não vai ter La Niña este ano

13/09/2017

“Não há previsão de configuração de La Niña até o fim deste ano. Os modelos numéricos indicam a permanência da condição neutra até o início de 2018”. A afirmação é dos meteorologistas Vitor Hassan e Patricia Diehl Madeira, do Climatempo, com base em dados do NOAA, a agência climática oficial do governo dos Estados Unidos.

“Na última semana, houve um intenso burburinho nas redes sociais sobre uma possível ocorrência do La Niña (2017/2018). O fenômeno pode ser responsável pela acentuada diminuição de chuva na região Sul do país e pelo aumento da precipitação em parte das regiões Norte e Nordeste”, contam os especialistas.

No entanto, de acordo com a literatura especializada, para ser considerado um episódio de La Niña, a anomalia de Temperatura da Superfície do Mar (TSM) deve persistir com valores inferiores ou iguais a -0,5°C por cinco períodos de três meses consecutivos na região Niño 3.4. “Avaliando o comportamento do oceano Pacífico nos últimos meses podemos observar que as anomalias de TSM ficaram positivas de abril até o fim de julho deste ano na região do Nino 3.4, descaracterizando completamente um fenômeno de La Niña”, explicam os meteorologistas.

De acordo com eles, o que chamou bastante atenção e causou a falsa impressão de uma possível La Niña, foi o resfriamento das águas do Pacifico Central e Leste a partir de agosto. Entretanto, esse resfriamento não é suficiente para caracterizar o fenômeno.

“Não se deve, no entanto, confundir neutralidade com normalidade climática. Porém, os agricultores podem ficar despreocupados. Apesar de estar previsto o atraso do período chuvoso para a região Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, a tendência é de estabilização a partir do fim de outubro, influenciando de forma positiva no processo de plantio”, concluem.

Fonte: Agrolink