Mulheres na atividade queijeira em Minas Gerais

20/07/2017

Rigoroso controle sanitário na produção abriu espaço para a entrada das mulheres nas queijarias. Hoje elas têm voz ativa e representam 50% do setor

Elas ganharam espaço no mercado de trabalho. Segundo o Sebrae Minas, o número de mulheres empresárias subiu 34% nos últimos 14 anos, uma realidade que vai além dos grandes centros urbanos. No campo, a presença feminina tem se destacado principalmente na pecuária leiteira.

As queijarias são um bom exemplo do sucesso da atividade feminina. No setor elas já constituem 50% dos produtores cadastrados. Desde 2002, quando uma regulamentação passou a exigir dos pequenos produtores a adequação nos processos de fabricação do queijo, com rigoroso controle das condições sanitárias do rebanho, as mulheres passaram a tomar conta das queijarias enquanto seus maridos se dedicavam à ordenha do leite.

“Mais habilidosas e cuidadosas, elas se destacaram na atividade. Por conhecerem todo o processo, passaram a acompanhar seus maridos nas negociações, e até mesmo a irem sozinhas realizar as vendas do queijo. Hoje, tanto o homem como a mulher têm funções equivalentes no campo”, explica o superintendente-técnico da FAEMG, Altino Rodrigues Neto.

A produtora Lúcia Resende, da região do Campo das Vertentes, está na atividade há cinco anos e é quem realiza todo o preparo e comercialização do produto: “Na agricultura familiar, a presença feminina vem para agregar, com o saber cuidar, a delicadeza, higiene e as boas práticas de fabricação. Atribuo a esses fatores o sucesso da mulher nas queijarias”. Lúcia, inclusive, recebeu a medalha de bronze no Salão Internacional do Queijo 2017, em Tours, na França.

Outra produtora de sucesso, Marli Leite foi destaque na França com a medalha Superouro, concorrendo com produtores de outros 20 países. Há 25 anos na atividade queijeira, desde que se casou, ela diz ter aprendido as técnicas ainda criança: “As mulheres, na verdade, sempre estiveram presentes, mas eram os homens que levavam o crédito. Lembro de ter aprendido as técnicas que sei hoje observando minha mãe e a minha avó. Na maioria dos casos, o fazer vem da mulher, os homens se encarregam de levar a matéria-prima para dentro das queijarias”.

1º Festival do Queijo Minas Artesanal 

Belo Horizonte vai sediar o 1º Festival do Queijo Minas Artesanal, nos dias 28, 29 e 30 de julho, na Serraria Souza Pinto. No evento, estarão presentes produtores das sete regiões demarcadas: Araxá, Campos das Vertentes, Canastra, Cerrado/Alto Paranaíba, Serra do Salitre, Serro e Triângulo Mineiro. O 1º Festival do Queijo Minas Artesanal é uma realização do Sistema FAEMG e do Sebrae.  http://www.festqueijominasartesanal.com.br/

 

Fonte: FAEMG