Notícias

Motivados pelo preço, produtores da Coocam aumentam área de milho

28/09/2016

Na cooperativa, expectativa é que sejam implantados 10% a mais com a cultura neste ano, em relação à safra passada.

Em todo o estado, cooperativas, agroindústrias e órgãos ligados ao setor buscaram formas de atrair e principalmente incentivar os produtores rurais e voltar a semear milho. A valorização do cereal, devido à falta de produto no mercado na última safra e previsão de bom preço neste ano é o principal fator para que nesta safra 2016/17, seja registrado um aumento na área plantada com a cultura em Santa Catarina.

A expectativa para a próxima safra foi divulgada pela Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca, durante encontro com lideranças do setor na última semana e mesmo com um crescimento na produção de 9,65%, chegando a 2,9 milhões de toneladas de milho na próxima safra, Santa Catarina ainda se mantém como grande importador do grão. O estado é um polo da suinocultura e avicultura e consome aproximadamente seis milhões de toneladas de milho por ano, são mais de 16 mil toneladas consumidas todos os dias pela cadeia produtiva da proteína animal.

Em Campos Novos, segundo dados do IBGE, que realiza levantamentos em parceria com as cooperativas do município, a área plantada de milho será de 7 mil hectares, com 1 mil hectare plantado para produção de forrageiras. Na Cooperativa Agropecuária Camponovense – Coocam, porém, há um incremento de área plantada de grãos em 10%. De acordo com o Técnico em Agropecuária da cooperativa, Silvio Zanon, este aumento está relacionado a valorização do produto – especialmente na última safra -, rotação de culturas e incentivo por meio de programas, como o desenvolvido pelo estado em parceria com a Fecoagro e cooperativas filiadas.

“Se compararmos com a safra do ano passado, nós temos uma projeção da cooperativa em aumentar em 10% a área. Neste ano temos algumas vantagens para investir na cultura, com uma expectativa de bons preços, um ano de La Niña não tão forte, com veranicos não tão longos e o potencial de produção de milho sempre é alto na nossa região. Nós acreditamos também que é um ano para realizarmos rotação de culturas, pois aquele produtor que busca produzir bem todas as culturas deve fazer a rotação para quebrar ciclos de pragas e doenças e nesta linha de trabalho, o produtor investe no milho porque temos um preço bom e apesar de ter custo alto de implantação, dos últimos anos eu vejo que é o melhor para plantar milho”, afirmou Silvio.

Somados a isso, o programa de Incentivo ao Plantio de Milho em Santa Catarina disponibilizou sementes e insumos para investir na cultura e pagar somente na colheita da safra. Na Coocam, o projeto foi desenvolvido e bem aceito pelos produtores.

Um exemplo de produtor que volta a investir no milho é o associado da Coocam e vice-presidente da cooperativa, Riscala Miguel Fadel Júnior. Júnior não semeou a cultura na última safra e devido à rotação de culturas e valorização do cereal, semeou 128 hectares de milho em suas áreas.

Segundo Júnior, a rotação de culturas é necessária nas lavouras e a valorização do milho no mercado interno estimulam o produtor a investir. “Temos uma boa expectativa nesta safra. Ano passado não plantamos milho, mas neste ano decidimos investir para realizar o manejo de rotação de culturas e esperamos ter uma boa safra tanto em produção como um bom preço do produto no mercado”, afirmou.

Silvio Zanon ressalta que para realizar o plantio de milho, o produtor tem tomado algumas precauções, como ter uma boa cobertura de palhada, ter um solo sem compactação e com correção, sementes de boa qualidade e fertilizantes com fórmula adequada.

O plantio de milho na região de Campos Novos é realizado de 20 de setembro a 20 de outubro.

Fonte: Agrolink