Curiosidades

Monitoramento por satélite será renovado para acompanhar cobertura florestal

04/12/14 – 16:22
O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) assinam na próxima quarta-feira, 10 de dezembro, um Termo de Cooperação que tem como objetivo dar continuidade ao monitoramento por satélite para acompanhar a evolução de fragmentos florestais da Mata Atlântica. A pesquisa, iniciada em 2011, e realizada pela Universidade Federal de Santa Maria, terá continuidade em dois blocos geográficos situados no interior do estado do Rio Grande do Sul, totalizando uma área de 2.737,65 km² que ocupam o território de 21 municípios. O monitoramento terá duração de quatro anos e o relatório final deverá ser apresentado em 2018.

A assinatura acontece na sede da FIERGS (sala D3/304), em Porto Alegre, às 14h30, e contará com a presença do presidente do Ibama, Volney Zanardi Júnior, e do superintendente do Ibama no Rio Grande do Sul, João Pessoa Riograndense Moreira Junior, que também acompanhou a assinatura do acordo inédito, em 2011.

O encontro visa ainda atender o último compromisso pendente do referido acordo com o Ibama e o Ministério do Meio Ambiente. Durante o evento será apresentada oficialmente a cartilha de orientação que será distribuída para produtores de tabaco da Região Sul do País, escolas participantes do Projeto Verde É Vida! – da Afubra -, sindicatos rurais e entidades representativas da cadeia produtiva.

Intitulada Manejo Sustentável das Propriedades Rurais e o Respeito ao Meio Ambiente, a publicação aborda conceitos de biomas e ecossistemas, biodiversidade, sustentabilidade e manejo sustentável. Também são apresentados tópicos da Legislação Ambiental Federal, com base do Código Florestal que entrou em vigor em meio de 2012, conceitos relacionados ao uso e à conservação dos recursos do solo e das águas, e de silvicultura e recuperação ambiental. Acesse a cartilha.

ENTENDA – Em 2011, o SindiTabaco, a Afubra, o Ibama e o Ministério do Meio Ambiente firmaram acordos inéditos para a preservação da Mata Atlântica. Entre os compromissos da cadeia produtiva do tabaco estavam:

• Exigência contratual para que a produção e a comercialização de tabaco estejam em conformidade com as normas ambientais vigentes, sob pena de rescindir os contratos vigentes;
• Orientação aos produtores pelas equipes de campo das empresas sobre a importância da proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica;
• Monitoramento por satélite de uma área de 6.899,47 km², com o objetivo de acompanhar a evolução dos sistemas de produção e a conservação dos remanescentes florestais em três das áreas de grande importância para a cultura do tabaco no Rio Grande do Sul;
• Confecção e distribuição de 200 mil cartilhas tratando do manejo sustentável das propriedades rurais e o respeito ao meio ambiente;
• Apoio à recuperação de áreas degradadas no município de Segredo (RS) e à conservação do bioma Mata Atlântica por meio de parceria com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

SAIBA MAIS – A Mata Atlântica é considerada um dos mais importantes biomas do País, envolvendo 17 estados brasileiros e parte da Argentina e Paraguai. Com uma biodiversidade semelhante à da Amazônia, a Mata Atlântica sofreu ação de desmatamento expressivo pela colonização brasileira. Estudos apontam que após 500 anos de colonização europeia, a Mata Atlântica passou por mudanças drásticas que a reduziram a menos de 10% de sua cobertura original.

Fonte: Agrolink com informações de assessoria