Laranja

Ministro Wagner Rossi defende apoio ao setor da laranja

Durante anúncio da safra da fruta, Wagner Rossi afirmou que o governo buscará, em conjunto com o setor privado, formas de proteger o produtor de variações acentuadas de preços

Nivea Schunk
06/05/2011

O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, anunciou oficialmente os números da safra 2010/2011 de laranja no estado de São Paulo nesta quinta-feira, 5 de maio, durante 18ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (Agrishow), em Ribeirão Preto (SP). De acordo com o levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção de laranja no estado de São Paulo deverá atingir 354,98 milhões de caixas de 40,8 kg, durante a safra 2010/2011.

Wagner Rossi destacou que o ano agrícola foi positivo para a citricultura, mas que ainda existe uma preocupação muito grande por parte do governo em relação à volatilidade característica dos preços dos cítricos no Brasil. Segundo o ministro, essa instabilidade – que fez o valor da caixa de laranja variar entre R$ 15,00 e R$ 5,00 de um ano para outro – prejudica o produtor.

“Estamos dispostos a fazer um esforço para procurar uma forma de construir um sistema que possa proteger o produtor de situações adversas e de variações muito acentuadas de preços, mas queremos ouvir os produtores para ver como poderemos fazer isso”, afirmou.

De acordo com o ministro, o governo pretende manter um diálogo mais próximo com o setor para obter informações sobre a produção e os custos e avançar na definição de políticas públicas mais consistentes para dar segurança ao agricultor.

Depois da divulgação dos números da produção paulista de laranja, o ministro se reuniu com citricultores e representantes de empresas para ouvir os pleitos mais urgentes do setor e discutir formas de auxiliar no avanço da cadeia da citricultura de forma integrada.

“Não acredito em resultado que não seja para a cadeia produtiva como um todo. Sou o ministro da Agricultura e, portanto, estou ao lado do produtor, e não somente dele, mas da indústria, do comércio e da cadeia produtiva, em todos os seus elos, para que a gente tenha bons resultados”, ressaltou. (Marcos Giesteira)

Fonte:  http://www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.asp?id=24241&secao=Not%EDcias