Trigo

Minas deve colher 40% a mais de trigo

03/06/2014

Os preços elevados e demanda aquecida estimularam o plantio de trigo em Minas Gerais na safra 2013/14. Somente neste ano produtivo é esperado incremento entre 30% e 40% no volume, que deve girar em torno de 170 mil toneladas. A expectativa do setor é manter o crescimento da safra ao longo dos próximos anos.

A sustentação dos investimentos na cultura do cereal se deve ao mercado consumidor ser superior à produção nacional, o que garante preços mais elevados para os produtores mineiros, que colhem a safra antes das regiões tradicionais, como do Sul do país.

De acordo com o vice-presidente da Associação dos Triticultores do Estado de Minas Gerais (Atriemg), Eduardo Elias Abrahim, as expectativas em relação à safra atual do produto são positivas, uma vez que o mercado está aquecido e os preços devem ser sustentados em patamares elevados.

“O mercado do trigo está aquecido e garantindo boa rentabilidade aos produtores desde 2013, fator que foi essencial para que houvesse maior investimento e ampliação da área de cultivo estadual. Até o momento as condições climáticas foram muito favoráveis para a produção, que vem se desenvolvendo dentro do ritmo esperado”, disse.

O incremento na produção mineira teve como base a expansão na área de cultivo, que passou de 36,2 mil hectares para 48,2 mil hectares, aumento de 33,1%. O Estado é o quarto maior produtor do país, com participação de apenas 2,29%, atrás do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Em relação à produtividade, a estimativa, até o momento, é de manutenção. O rendimento esperado é de 3,28 toneladas a 4 toneladas por hectare. A colheita deve começar em meados de julho.

Entressafra – Segundo Abrahim, Minas Gerais, por colher o trigo antes das demais regiões produtoras, consegue comercializar a produção a preços de entressafra. A tonelada do produto, no início da colheita, deve ser vendido em torno de R$ 850. A partir de setembro, quando começa a colheita no Sul do país, a tendência é de retração, neste período o valor deve recuar para cerca de R$ 700 a tonelada. Cotação ainda suficiente para cobrir os custos e garantir boa rentabilidade aos triticultores.

Além disso, o mercado brasileiro é grande demandador do trigo. Anualmente o país importa cerca de 50% do volume que consome, cerca de 12 milhões de toneladas, isso pela produção interna ser insuficiente para abastecer as indústrias.

“O trigo de Minas Gerais tem todo o potencial para apresentar incrementos consecutivos na produção ao longo dos próximos anos. Além da qualidade superior, por colhermos antes do pico da safra brasileira conseguimos sempre valores mais altos. Além disso, a produção nacional é muito inferior ao consumo, fator este fundamental para que os produtores sejam motivados a ampliar o volume de trigo”, avaliou.

Embrapa – Outros fatores que têm incentivado a expansão são os benefícios proporcionados pelo trigo quando usado como rotação de cultura, antecedendo o período de plantio da soja e do milho, e as pesquisas desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

“Os produtores de soja e milho têm adotado cada vez mais o trigo ao invés de outros produtos, como o sorgo, por exemplo. O cereal contribui para o melhoramento do solo e para o maior controle de pragas. Outro ponto positivo, é que a Embrapa tem desenvolvido pesquisas e cultivares mais adaptadas às regiões produtoras, o que garante mais rendimento”, afirmou.

No Estado a maior região produtora é o Alto Paranaíba, que colhe cerca de 63,5 mil toneladas ao ano ou 40% da safra mineira, seguido pela região Central, com 36,8 mil toneladas e participação de 23,25%, e Sul de Minas com 33,6 mil toneladas por safra, 21,21%.

Fonte: Diário do Comércio
Autor: Michele Valverde