Milho

Milho rico em vitamina A poderá beneficiar crianças em Minas Gerais ainda em 2012

Já imaginou um milho mais nutritivo, que poderia suprir, de uma melhor forma, as necessidades diárias de vitaminas e outros nutrientes de crianças em plena idade escolar? A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), há mais de sete anos, desenvolve o projeto conhecido como BioFORT, nome que vem de biofortificação de alimentos. Esse projeto trabalha o melhoramento genético convencional de alimentos que compõem a dieta básica da população brasileira e de outros países.

No Brasil, pesquisadores da Embrapa já conseguiram cultivares de mandioca e de batata-doce com altos teores de vitamina A e arroz, feijão e feijão-caupi mais ricos em ferro e zinco. A Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG), lançará, ainda em 2012, uma cultivar de milho com uma quantidade de pró-vitamina A cerca de quatro vezes superior à encontrada em cultivares comuns do cereal.

 

A pró-vitamina A, a partir de reações químicas no organismo, se transforma em vitamina A. Ela tem papéis muito importantes, como a manutenção de uma boa visão. A cientista de alimentos Maria Cristina Dias Paes é uma das profissionais envolvida no projeto BioFORT e vem avaliando os teores de ferro, zinco e pró-vitamina A em cereais. No caso do milho pró-vitamina A em desenvolvimento, a concentração de carotenoides precursores dessa vitamina nos grãos chegou a 9,2 microgramas por grama. O milho comum apresenta cerca de quatro vezes menos nutrientes. “Nossa meta é chegar às 15 microgramas por grama até 2015”, pontua.

 

Em áreas experimentais na Embrapa Milho e Sorgo, o milho pró-vitamina A vem produzindo bem. De coloração amarela intensa, a cultivar está sendo desenvolvida a partir de um trabalho de seleção onde os grãos que apresentam maior quantidade de pró-vitamina A são priorizados no processo de melhoramento. “Esse milho apresenta ciclo precoce e estamos muito otimistas com suas características agronômicas”, destaca Paulo Evaristo Guimarães, pesquisador e um dos responsáveis pelo desenvolvimento da cultivar. “Devemos lançar esse material até o final deste ano”, antecipa.

 

Estudantes já são beneficiados por tecnologia semelhante

 

Enquanto o milho mais rico em vitamina A não chega ao mercado, a população de Capim Branco, cidade com menos de 10 mil habitantes próxima a Sete Lagoas, na região Central do Estado, já vem desfrutando os benefícios de um produto mais nutritivo. É o milho QPM BR 473, variedade desenvolvida pela Embrapa Milho e Sorgo bastante produtiva, de ciclo precoce e de grãos na cor amarelo-alaranjada. Esse milho possui excelente valor energético e sua proteína é de alto valor nutricional. Por isso, é conhecido como milho QPM, as iniciais de Qualidade Protéica Melhorada.

 

Sementes estão sendo multiplicadas por agricultores da região, sob a orientação de técnicos da Emater-MG. Dessa forma, uma pequena quantidade de grãos é repassada para produtores interessados em cultivar o cereal. “A única exigência é que a quantidade de sementes entregue seja devolvida após a colheita. Assim, mantemos nosso estoque para safras seguintes”, explica o extensionista da Emater-MG Adenilson de Freitas, do escritório de Capim Branco e um dos defensores do plantio do milho mais nutritivo (veja foto nesta página).

 

ESCOLAS – Depois de colhido, o milho BR 473 está sendo aproveitado como matéria-prima na fabricação de pães, bolos e biscoitos que são servidos na merenda escolar de escolas da rede pública. É o caso da Escola Municipal Professora Rute Braz, que atende mais de 200 crianças dos ensinos Infantil e Fundamental, e que passou a oferecer produtos mais nutritivos na merenda desde 2011. Para 2012, segundo a diretora Fabiane Mendes Ribeiro, a meta é disponibilizar produtos tendo como matéria-prima os alimentos biofortificados, como a batata-doce, a mandioca, o feijão e o milho.

 

“A aceitação dos produtos derivados do milho QPM, como bolos e biscoitos, pelas crianças tem sido ótima. O objetivo da escola é dar continuidade a esses projetos, oferecendo produtos mais saudáveis e nutritivos”, diz. A secretária municipal de Educação, Francesca Chiara Reis Sanches, também tem apostado na ideia. “Outro benefício é o estímulo à agricultura familiar, conforme o Programa Nacional de Alimentação Escolar, que prevê que no mínimo 30% dos produtos utilizados na merenda escolar sejam procedentes dessa atividade”, destaca.

No Brasil, pesquisadores da Embrapa já conseguiram cultivares de mandioca e de batata-doce com altos teores de vitamina A e arroz, feijão e feijão-caupi mais ricos em ferro e zinco. A Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG), lançará, ainda em 2012, uma cultivar de milho com uma quantidade de pró-vitamina A cerca de quatro vezes superior à encontrada em cultivares comuns do cereal.

 

A pró-vitamina A, a partir de reações químicas no organismo, se transforma em vitamina A. Ela tem papéis muito importantes, como a manutenção de uma boa visão. A cientista de alimentos Maria Cristina Dias Paes é uma das profissionais envolvida no projeto BioFORT e vem avaliando os teores de ferro, zinco e pró-vitamina A em cereais. No caso do milho pró-vitamina A em desenvolvimento, a concentração de carotenoides precursores dessa vitamina nos grãos chegou a 9,2 microgramas por grama. O milho comum apresenta cerca de quatro vezes menos nutrientes. “Nossa meta é chegar às 15 microgramas por grama até 2015”, pontua.

 

Em áreas experimentais na Embrapa Milho e Sorgo, o milho pró-vitamina A vem produzindo bem. De coloração amarela intensa, a cultivar está sendo desenvolvida a partir de um trabalho de seleção onde os grãos que apresentam maior quantidade de pró-vitamina A são priorizados no processo de melhoramento. “Esse milho apresenta ciclo precoce e estamos muito otimistas com suas características agronômicas”, destaca Paulo Evaristo Guimarães, pesquisador e um dos responsáveis pelo desenvolvimento da cultivar. “Devemos lançar esse material até o final deste ano”, antecipa.

 

Estudantes já são beneficiados por tecnologia semelhante

 

Enquanto o milho mais rico em vitamina A não chega ao mercado, a população de Capim Branco, cidade com menos de 10 mil habitantes próxima a Sete Lagoas, na região Central do Estado, já vem desfrutando os benefícios de um produto mais nutritivo. É o milho QPM BR 473, variedade desenvolvida pela Embrapa Milho e Sorgo bastante produtiva, de ciclo precoce e de grãos na cor amarelo-alaranjada. Esse milho possui excelente valor energético e sua proteína é de alto valor nutricional. Por isso, é conhecido como milho QPM, as iniciais de Qualidade Protéica Melhorada.

 

Sementes estão sendo multiplicadas por agricultores da região, sob a orientação de técnicos da Emater-MG. Dessa forma, uma pequena quantidade de grãos é repassada para produtores interessados em cultivar o cereal. “A única exigência é que a quantidade de sementes entregue seja devolvida após a colheita. Assim, mantemos nosso estoque para safras seguintes”, explica o extensionista da Emater-MG Adenilson de Freitas, do escritório de Capim Branco e um dos defensores do plantio do milho mais nutritivo (veja foto nesta página).

 

ESCOLAS – Depois de colhido, o milho BR 473 está sendo aproveitado como matéria-prima na fabricação de pães, bolos e biscoitos que são servidos na merenda escolar de escolas da rede pública. É o caso da Escola Municipal Professora Rute Braz, que atende mais de 200 crianças dos ensinos Infantil e Fundamental, e que passou a oferecer produtos mais nutritivos na merenda desde 2011. Para 2012, segundo a diretora Fabiane Mendes Ribeiro, a meta é disponibilizar produtos tendo como matéria-prima os alimentos biofortificados, como a batata-doce, a mandioca, o feijão e o milho.

 

“A aceitação dos produtos derivados do milho QPM, como bolos e biscoitos, pelas crianças tem sido ótima. O objetivo da escola é dar continuidade a esses projetos, oferecendo produtos mais saudáveis e nutritivos”, diz. A secretária municipal de Educação, Francesca Chiara Reis Sanches, também tem apostado na ideia. “Outro benefício é o estímulo à agricultura familiar, conforme o Programa Nacional de Alimentação Escolar, que prevê que no mínimo 30% dos produtos utilizados na merenda escolar sejam procedentes dessa atividade”, destaca.

No Brasil, pesquisadores da Embrapa já conseguiram cultivares de mandioca e de batata-doce com altos teores de vitamina A e arroz, feijão e feijão-caupi mais ricos em ferro e zinco. A Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG), lançará, ainda em 2012, uma cultivar de milho com uma quantidade de pró-vitamina A cerca de quatro vezes superior à encontrada em cultivares comuns do cereal.

 

A pró-vitamina A, a partir de reações químicas no organismo, se transforma em vitamina A. Ela tem papéis muito importantes, como a manutenção de uma boa visão. A cientista de alimentos Maria Cristina Dias Paes é uma das profissionais envolvida no projeto BioFORT e vem avaliando os teores de ferro, zinco e pró-vitamina A em cereais. No caso do milho pró-vitamina A em desenvolvimento, a concentração de carotenoides precursores dessa vitamina nos grãos chegou a 9,2 microgramas por grama. O milho comum apresenta cerca de quatro vezes menos nutrientes. “Nossa meta é chegar às 15 microgramas por grama até 2015”, pontua.

 

Em áreas experimentais na Embrapa Milho e Sorgo, o milho pró-vitamina A vem produzindo bem. De coloração amarela intensa, a cultivar está sendo desenvolvida a partir de um trabalho de seleção onde os grãos que apresentam maior quantidade de pró-vitamina A são priorizados no processo de melhoramento. “Esse milho apresenta ciclo precoce e estamos muito otimistas com suas características agronômicas”, destaca Paulo Evaristo Guimarães, pesquisador e um dos responsáveis pelo desenvolvimento da cultivar. “Devemos lançar esse material até o final deste ano”, antecipa.

 

Estudantes já são beneficiados por tecnologia semelhante

 

Enquanto o milho mais rico em vitamina A não chega ao mercado, a população de Capim Branco, cidade com menos de 10 mil habitantes próxima a Sete Lagoas, na região Central do Estado, já vem desfrutando os benefícios de um produto mais nutritivo. É o milho QPM BR 473, variedade desenvolvida pela Embrapa Milho e Sorgo bastante produtiva, de ciclo precoce e de grãos na cor amarelo-alaranjada. Esse milho possui excelente valor energético e sua proteína é de alto valor nutricional. Por isso, é conhecido como milho QPM, as iniciais de Qualidade Protéica Melhorada.

 

Sementes estão sendo multiplicadas por agricultores da região, sob a orientação de técnicos da Emater-MG. Dessa forma, uma pequena quantidade de grãos é repassada para produtores interessados em cultivar o cereal. “A única exigência é que a quantidade de sementes entregue seja devolvida após a colheita. Assim, mantemos nosso estoque para safras seguintes”, explica o extensionista da Emater-MG Adenilson de Freitas, do escritório de Capim Branco e um dos defensores do plantio do milho mais nutritivo (veja foto nesta página).

 

ESCOLAS – Depois de colhido, o milho BR 473 está sendo aproveitado como matéria-prima na fabricação de pães, bolos e biscoitos que são servidos na merenda escolar de escolas da rede pública. É o caso da Escola Municipal Professora Rute Braz, que atende mais de 200 crianças dos ensinos Infantil e Fundamental, e que passou a oferecer produtos mais nutritivos na merenda desde 2011. Para 2012, segundo a diretora Fabiane Mendes Ribeiro, a meta é disponibilizar produtos tendo como matéria-prima os alimentos biofortificados, como a batata-doce, a mandioca, o feijão e o milho.

“A aceitação dos produtos derivados do milho QPM, como bolos e biscoitos, pelas crianças tem sido ótima. O objetivo da escola é dar continuidade a esses projetos, oferecendo produtos mais saudáveis e nutritivos”, diz. A secretária municipal de Educação, Francesca Chiara Reis Sanches, também tem apostado na ideia. “Outro benefício é o estímulo à agricultura familiar, conforme o Programa Nacional de Alimentação Escolar, que prevê que no mínimo 30% dos produtos utilizados na merenda escolar sejam procedentes dessa atividade”, destaca.

Na TV – No próximo dia 27 de abril, a Embrapa apresentará um programa televisivo sobre o tema. Trata-se do Dia de Campo na TV, produzido pela Embrapa Informação Tecnológica (Brasília-DF) em parceria com a Embrapa Milho e Sorgo. O programa “Milho com altos teores de vitamina A” vai ao ar às 9h30 da sexta-feira, 27, pelo Canal Rural. Confira aqui outras emissoras que exibirão o programa, que foi produzido no final de março na Embrapa Milho e Sorgo e na região de Capim Branco. Não perca! Na TV – No próximo dia 27 de abril, a Embrapa apresentará um programa televisivo sobre o tema. Trata-se do Dia de Campo na TV, produzido pela Embrapa Informação Tecnológica (Brasília-DF) em parceria com a Embrapa Milho e Sorgo. O programa “Milho com altos teores de vitamina A” vai ao ar às 9h30 da sexta-feira, 27, pelo Canal Rural. Confira aqui outras emissoras que exibirão o programa, que foi produzido no final de março na Embrapa Milho e Sorgo e na região de Capim Branco. Não perca!



Mais informações: NCO (Núcleo de Comunicação Organizacional) da Embrapa Milho e Sorgo, Unidade da Embrapa, vinculada ao Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento): (31) 3027-1272 ou nco@cnpms.embrapa.br .

 

Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG)

Data: 10-04-2012
Fonte: Embrapa