Manejo

Michelin é referência mundial no combate ao fungo que ataca as seringueiras

Em suas Plantações de seringueira na Bahia, a Michelin, em parceria com o CIRAD (Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agrônoma para o Desenvolvimento) criou, em 1992, um programa de pesquisa para combater o Microcyclus uleï, um fungo parasita da seringueira que ataca as folhas da árvore e provoca a degeneração da árvore. Este programa é vital para o setor da borracha, pois este fungo é uma ameaça também para outros países produtores, na África e, sobretudo na Ásia, que produzem 92 % da borracha natural do mundo.

Nas Plantações, uma equipe de pesquisadores dispõe de laboratórios, viveiros, câmaras de incubação para acompanhar as condições de luz, temperatura e umidade e campos de testes para estudar o tema. Enquanto o CIRAD oferece suporte científico na área genética. Uma parceria que deu frutos. Hoje, estão sendo testadas em grande escala 14 variedades de seringueiras resistentes ao fungo, com bom potencial de produção. Esse resultado é conse-qüência de um longo trabalho de seleção (são necessários 20 anos para criar e selecionar uma nova variedade de seringueira) e representa uma real esperança para a heveicultura mundial e às 10 milhões de pessoas que dela vivem.

Outro tema de pesquisa e desenvolvimento abordado nas Plantações da Michelin na Bahia é a redução do número de extração de látex na seringueira. Tais extrações que antes eram feitas de dois em dois dias, agora são feitas de cinco em cinco dias. A diminuição do número de sangramentos permite aumentar a vida média da árvore, de 20-25 anos para 30-35 anos. É necessário passar por uma adaptação do processo de colheita e pelo tratamento industrial da borracha natural.

Fonte: http://www.abrapneus.com.br/Revistas/Revi78/Revista78_4.htm