Pecuária

MG: Produtores reclamam pagamento de leite fornecido à Copervale

21/01/2014

Na segunda-feira (20.01), cerca de 15 produtores rurais de Uberaba e região que fornecem leite à Cooperativa Agropecuária do Vale do Rio Grande (Copervale) iniciaram protesto na porta da entidade após ser informados de que não receberiam pela produção de dezembro/2013. Alguns deles decidiram acampar na porta da cooperativa ou retornar hoje para exigir uma solução definitiva para a situação.

De acordo com a produtora Maria Aparecida Cavecchia, ela espera receber R$16 mil pelo fornecimento de cerca de 700 litros de leite no mês de dezembro, porém ela afirma que há outros produtores rurais que estão há três meses sem receber, mesmo depois de entregarem entre mil e 1.500 litros por mês à cooperativa. Por isso, ela afirma que alguns produtores já entraram com processo no Juizado de Pequenas Causas, enquanto outros pretendem continuar acampados na porta da Copervale até a garantia de alguma solução rápida para a falta de pagamento.

Vale lembrar que, em abril de 2008, a cooperativa foi alvo de ação do Ministério Público Federal que denunciava escândalo da adulteração do leite com substâncias nocivas à saúde humana, que serviam para aumentar o volume do produto, prolongar a validade e mascarar problemas de qualidade. Em 2013, a Copervale entrou com ação de recuperação judicial no Fórum Melo Viana, cujo processo foi ajuizado em novembro junto à Vara Empresarial, Execuções Fiscais de Títulos e de Registros Públicos. Maria Aparecida afirma que, ao procurar uma resposta para a falta do pagamento, foi informada de que há uma reunião agendada para o próximo dia 27 para que a diretoria ou os responsáveis possam decidir quando irão pagar os produtores.

Segundo posicionamento de um dos diretores da cooperativa, conforme o que pôde acompanhar informalmente nos últimos 30 dias, já que não há mais reunião entre diretores, os salários dos funcionários estão em dia, mas supermercados da cooperativa foram fechados em Uberaba e Campo Florido, a fábrica de ração também não está mais funcionando, enquanto a farmácia e o posto atendem com dificuldade. Ainda de acordo com o diretor, que preferiu não se identificar, a Copervale vem trabalhando com baixa produção por falta de capital. Em razão do pedido de recuperação judicial, foi nomeado um interventor para negociar com os bancos, mas não há troca de informações com os demais setores, departamentos e diretores da entidade.

A redação do Jornal da Manhã tentou por diversas vezes o contato telefônico com o presidente da cooperativa, Luiz Gualberto Ribeiro Ferreira, mas ele não atendeu às ligações e também não deu retorno.

Fonte: JM Online