Mercado ganha enfardadora de palha de cana

Juliana Royo e Kamila Pitombeira
10/05/2011

Pensada e desenvolvida para atender ao mercado de biomassa no país, a enfardadora LSB 1290 foi apresentada pela Kuhn na Agrishow 2011, localizada em Ribeirão Preto (SP), entre os dias 2 e 6 de maio. Ela é uma enfardadora de fardo quadrado, voltada para a produção de fontes de biomassa como a palhada de cana-de-açúcar, visando a produção, alimentação animal ou ainda a produção de energia que pode ser gerada através da palha.

De acordo com Jean-Sébastian Salaud, gerente de produtos da Kuhn, a máquina é a primeira do mundo a aproveitar corretamente a energia proveniente da palha da cana deixada na lavoura. O novo sistema expande as possibilidades de produção de energia e aumento de renda nos canaviais.

— Hoje, estamos trabalhando no estado de São Paulo com uma máquina que foi lançada especificamente para a palhada de cana. A grande vantagem da máquina é que ela proporciona uma alta densidade dentro do fardo, em torno de 180Kg/m³. Esse fardo pesará em torno de 440Kg — afirma o gerente.

Segundo ele, o Brasil é a maior fonte de biomassa no mundo. A população cresce cada vez mais e a necessidade de energia renovável aumenta. Ele diz que cada tonelada de cana colhida tem em torno de 140Kg de palha, ou seja, pode-se produzir hoje, com a palhada de cana, de 60% a 70% de energia que a Usina Hidrelétrica de Itaipu produz.

De acordo com estudos da empresa, um hectare de cana pode produzir 24% de etanol, 37% de energia elétrica a partir do bagaço e 39% de energia com uso da palha, porcentagem que não é utilizada atualmente pela grande indústria.

— O setor canavieiro oferece ao mercado o açúcar etanol e cada vez mais energia. Dentro de todo esse processo, acreditamos que a energia se tornará o principal produto dos produtores de cana — conclui Salaud.

Pioneirismo

Ele afirma que já existem algumas usinas pioneiras, principalmente no interior paulista. Dentro do processo em campo, a palha é compactada, visando reduzir seu custo logístico. A ideia é colocar no fardo o maior peso em um menor volume possível.

— Após esse procedimento, um caminhão leva o fardo à usina. Esse fardo é então desmanchado e a palha, repicada. Essa palha é misturado com o resíduo industrial chamado de bagaço. Portanto, o bagaço e a palha serão as principais fontes de biomassa para a produção de energia e o atendimento às diversas cidades brasileiras — explica.

Ele acrescenta também que um dos diferenciais da máquina é a alta densidade do fardo, além de um sistema de rotor que permite trabalhar em condições adversas. O sistema destrói os restos de cana e ponteiras que podem ser fontes de pragas e doenças no campo.

— Hoje a conservação total da palha da cana no campo é um problema agronômico, já que ela contribui para o desenvolvimento das pragas e prejudica a eficiência de diversos tratos culturais — salienta Jean-Sébastian.
 
Para mais informações, basta entrar em contato com a Kuhn através do número (54) 3316-6200.

Fonte: http://www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.asp?id=24244&secao=Pacotes Tecnológicos&c2=Cana-de-açúcar