Pecuária

Mercado do Brasil Central aquece vendas do cavalo Crioulo

01/02/2016

Qualidade e genética devem ser destaque na comercialização da temporada de 2016

A qualidade novamente deve ser o principal chamariz do mercado do cavalo Crioulo nesta temporada. Nos dois primeiros leilões realizados pela Trajano Silva Remates em 2016, a liquidez e a busca por genética superior e a procura de criadores do centro do país por exemplares de criadores reconhecidos vem se repetindo neste início de ano como ocorreu em 2015.

No mês de janeiro, dois remates foram realizados pela leiloeira. O leilão virtual Trinca Crioula, realizado pelas cabanhas Iguariaçá, Moema e da Fama, todas de São Borja (RS), teve médias de R$ 6,68 mil por animal vendido e faturamento de R$ 307,5 mil. Já o remate Crioulos Fronteiriços, promovido pela Estância Aurora, de Uruguaiana (RS), e convidados, alcançou R$ 247 mil com média de R$ 6,67 mil na venda de 37 exemplares da raça Crioula. “Estes resultados nos mostram que o mercado está um pouco mais seletivo e existe uma grande demanda por animais domados”, analisa o leiloeiro e diretor da Trajano Silva Remates, Gonçalo Silva.

Para o leiloeiro e diretor da Trajano Silva Remates, Marcelo Silva, o mercado, apesar da cautela, se mostra otimista para a temporada de 2016. Isso porque a procura pelo cavalo Crioulo nas regiões centrais do Brasil, especialmente pelos pecuaristas que buscam na rusticidade uma característica fundamental para o trabalho no campo, além do desempenho em provas e exposições realizadas pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), vem atraindo novos investidores. “Nossa grande aposta é neste mercado crescente do Centro Oeste”, salienta.

Os dois próximos leilões da Trajano Silva Remates que devem movimentar o mercado são o Mancha Crioula, que ocorre neste ano em Esteio (RS) no dia 18 de fevereiro, e o tradicional remate da cabanha São Rafael, que será realizado no dia 5 de março na sede do criatório, em São Luiz do Purunã (PR).

Fonte: Agrolink