Pesca

Mercado de peixes ornamentais cresce em São Paulo

Feira especializada no Estado chega a vender 800 mil unidades por ano

CANAL RURAL

 

O mercado de peixes ornamentais atrai cada vez mais criadores em todo o país. Em São Paulo uma feira especializada chega a vender 800 mil unidades por ano.

A produção que teve origem na China a cada dia atrai novos investidores. O psicultor José Macedo começou a investir nesse mercado e passou a trabalhar junto com o genro. São mais de 100 mil unidades de peixes ornamentais na propriedade de quatro hectares na cidade de Alambari, interior paulista. Um negócio tão lucrativo que a família, que produzia somente carpas, enxergou na espécie kinguio uma forma de aumentar os lucros.

Como em qualquer outra cultura, a dedicação é diária. Os peixes são alimentados duas vezes ao dia e consomem, em média, aproximadamente 500 quilos de ração, com um custo de R$ 2 mil. Além de se preocupar com a alimentação dos peixes, Macedo também utiliza calcário e sal para controlar o nível de acidez da água. O manejo é essencial para garantir a sobrevivência das espécies cultivadas na propriedade. O produtor fez a chamada desova há mais de um mês e o momento agora é de início da safra.

Depois da desova os peixes são trazidos para tanques onde a temperatura é em média 25°C. Eles permanecem nos tanques por um período de até quatro meses e em seguida são remanejados para um processo de adaptação, onde vão viver em aquários.

Os peixes chamam a atenção pela beleza, o desfile de cores é a principal característica dos peixes de água doce. O kinguio telescopio, conhecido popularmente como japônes por conta do formato do olho, tem o preço de mercado em torno de R$ 25.

Em São Paulo há somente três mercados desse gênero. Em Santo André, na região metropolitana, o mercado se dedica três dias da semana à feira de peixes ornamentais. No ano passado foram vendidas mais de 800 mil unidades. De acordo com o técnico responsável pelo mercado, Adilson Baldani, o crescimento do setor atualmente é de 35%.

Para o biólogo Robson de Almeida, a paixão por peixes surgiu na infância, assim como a maioria dos piscicultores, e agora o que era apenas hobby já é sua profissão há oito anos.

– É um mercado que vem crescendo – afirma o biólogo.

O psicultor Anselmo Placco toda semana se junta aos outros 60 produtores que participam da feira especializada. Segundo ele o momento do setor é tão bom que em pouco mais de uma hora ele vende todos os peixes que levou para comercializar.

 

Fonte: http://www.portaldoagronegocio.com.br/conteudo.php?tit=mercado_de_peixes_ornamentais_cresce_em_sao_paulo&id=66136