Flores

Mercado de flores espera crescimento de até 12% em 2013

03/09/13
Embora, num primeiro momento, as flores e plantas ornamentais sejam consideradas produtos não essenciais para os consumidores, elas acompanham as pessoas em todas as ocasiões especiais de suas vidas, do nascimento à morte, estando presentes em todas as comemorações importantes: batizados, casamentos, aniversários, datas especiais, formaturas e outros grandes eventos. Trata-se de um mercado tão importante que tem registrado, em média, um crescimento da ordem de 12% ao ano, no Brasil, nos últimos sete anos.

Os principais institutos e órgãos que cuidam da floricultura brasileira creditam esse constante crescimento do setor não só à estabilidade econômica, mas, principalmente, à qualidade alcançada e à diversidade dos produtos disponibilizados anualmente no mercado.

O Brasil, em parceria com a Holanda, é um dos grandes desenvolvedores de novas variedades, com excelentes melhoristas genéticos (briders), que garantem sempre novidades, a cada ano, aliadas à maior durabilidade e qualidade das flores e plantas ornamentais. Essas novidades geralmente são apresentadas ao mercado consumidor durante a Expoflora, a maior exposição de flores e plantas ornamentais da América Latina, que esse ano será realizada entre os dias 30 de agosto a 29 de setembro, de sexta-feira a domingo, das 9h às 19h, em Holambra, interior de São Paulo.

Holambra, uma antiga colônia holandesa elevada a município, apesar de seus 11 mil habitantes é sede dos principais produtores brasileiros e das duas mais importantes cooperativas do país – o Veiling e a Cooperflora – que, juntas, comercializam cerca de 40% das flores e plantas ornamentais destinadas ao mercado interno. A Expoflora é uma espécie de vitrine para que os produtores apresentem os seus produtos aos consumidores finais. Por ano, o evento atrai cerca de 300 mil turistas.

Números animadores

Acompanhando o desempenho da economia mundial, o mercado de flores brasileiro mostra vigor e tem estimativas animadoras de crescimento em 2013. Enquanto o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro cresceu apenas 0,9% em 2012, o setor tem registrado um aumento médio anual nas vendas de 12%.

A expectativa é que esse mercado movimente aproximadamente R$ 4,8 bilhões em 2013. São números animadores, compartilhados pelo Ibraflor – Instituto Brasileiro de Floricultura, pela Câmara Setorial Federal de Plantas e Flores e pela Cooperativa Veiling Holambra.

Desde 2006 o segmento de flores tem registrado altas de 8% a 12% ao ano no volume de vendas, e de 15% a 17% no valor movimentado. E, o setor sabe, ainda há um vasto campo a ser explorado. Enquanto o consumo per capita de flores na Europa gira em torno de R$ 141 (US$ 70), o brasileiro gasta, em média, apenas R$ 23 (US$ 12) por ano.

Na medida em que os salários aumentam, a venda de flores e plantas acompanha esse crescimento. “Estamos melhores que outros países em desenvolvimento e podemos crescer muito mais até chegar à média europeia. Estamos muito otimistas”, diz Kees Schoenmaker, presidente do Ibraflor.

De acordo com Kees, a Expoflora contribui para fomentar o comércio em todo o país por garantir grande visibilidade aos novos produtos introduzidos anualmente no mercado. O que Expoflora apresenta em setembro acaba de chegar ou estará chegando em breve às floriculturas de todo o país. Em alguns casos, os produtores usam a exposição para verificar a aceitação de flores e plantas ornamentais junto aos consumidores. “É como um teste para produtos que só deverão chegar ao mercado nos próximos anos”, explica.

Produção brasileira

O Brasil conta, atualmente, com 7,6 mil produtores de flores e plantas. Juntos, eles cultivam mais de 350 espécies com cerca de três mil variedades. Sendo assim, o mercado de flores é uma importante engrenagem na economia brasileira, responsável por 194 mil empregos diretos, sendo 49,5% (96 mil) das vagas relativas à produção; 39,7% (77 mil) relacionadas com o varejo; 3,1% (6 mil) na área de distribuição; e 7,7% (15 mil) em outras funções, principalmente de apoio.

Para atender à crescente demanda desse mercado, a Câmara Setorial Federal de Flores e Plantas Ornamentais tem realizado cursos à distância para a capacitação de mão de obra, por intermédio da Comissão Nacional de Agricultura. A necessidade surgiu com a mudança do perfil do homem do campo que, praticamente, não põe mais a mão na terra.

O setor, que carece de mão-de-obra qualificada, também é considerado muito importante no desenvolvimento social de uma região, uma vez que promove o emprego, principalmente de grande quantidade de mulheres. “A baixa, ou nenhuma sazonalidade, garante que os empregos sejam duradouros. Além disso, o setor possui um dos maiores índices de contratos com carteiras assinadas”, afirma Silvia Van Rooyen, presidente da Câmara Setorial Federal.

Responsável por negociar cerca de 45% das flores e plantas ornamentais produzidas no país, a Cooperativa Veiling de Holambra já é a quinta maior comercializadora do mundo. O Veiling é um leilão invertido por meio da qual vence o menor e não o maior preço, onde são comercializadas flores e plantas ornamentais de 400 produtores da microrregião de Holambra e de outras regiões. Nesse leilão as flores de corte mais comercializadas são a rosa, o lírio, o crisântemo, a alstroeméria, seguidas pelas folhagens, enquanto que as flores de vaso mais vendidas são a orquídea phalaenopsis, o kalanchoe, o crisântemo, o lírio e a begônia.

Serviço: 32ª Expoflora

Data: de 30 de agosto a 29 de setembro, de sexta-feira a domingo
Horário: das 9h às 19h
Localização: Holambra, SP 340, rodovia Campinas-Mogi Mirim, saída 140.
Ingressos: R$ 32 na bilheteria
Informações para o público: (19) 3802-1421 e expoflora@expoflora.com.br

 

Fonte: Agrolink