Custo de Produção

Mercado cafeeiro encerraram a terça-feira com desvalorização

16/03/2011 09:10

COTAÇÃO DO CAFÉ –

MERCADO INTERNO
BOLSAS N.Y. E B.M.F.
Sul de Minas R$ 535,00 R$ 515,00
Contrato N.Y.
Fechamento
Variação
Mogiano R$ 535,00 R$ 515,00 Maio/2011 262,95 -10,35
Alta Paulista/Paranaense R$ 525,00 R$ 505,00 Julho/2011 265,10 -10,25
Cerrado R$ 540,00 R$ 520,00 Setembro/2011 266,75 -10,15
Bahiano R$ 525,00 R$ 505,00
* Cafés de aspecto bom, com catação de 10% a 20%.
Contrato BMF
Fechamento
Variação
Cons Inter.600def. Duro R$ 320,00 R$ 300,00 Maio/2011 340,50 -11,35
Cons Inter. 8cob. Duro R$ 340,00 R$ 320,00 Setembro/2011 326,75 -12,40
Dólar Comercial: R$ 1,6680 Dezembro/2011 325,15 -11,60

As operações no mercado cafeeiro encerraram a terça-feira  com desvalorização. Em N.Y. a posição maio atingiu mínima de -12,35 pts fechando com -10,35. A aversão ao risco pressionou as commodities e outros mercados, diante dos temores relacionados à crise humanitária e nuclear no Japão.

O dólar comercial encerrou em alta de 0,42% a R$ 1,6680, o maior valor desde 23 de fevereiro (de R$1,673). Na sessão, a moeda ampliou a volatilidade, o que favoreceu um aumento dos negócios. O dólar reduziu gradativamente ao longo do dia a forte alta exibida mais cedo ante o real, influenciado pelo fluxo comercial positivo e a recuperação das perdas intraday pelo euro em relação ao dólar durante a tarde. Essa inversão de sinal a favor do euro ocorreu após o Federal Reserve (Fed, banco central americano) anunciar que vai manter as taxas de juros baixas nos EUA e prosseguir com o programa de compra de US$ 600 bilhões em Treasuries (títulos do Tesouro americano) até junho.

As autoridades do Fed disseram que o aumento nos preços internacionais das commodities – em particular no valor do petróleo – estão contribuindo para aumentar a pressão inflacionária, mas que esses efeitos devem ser transitórios. O comunicado do Fed não mencionou diretamente o terremoto e o tsunami que atingiram o Japão como riscos ao crescimento dos EUA. Mais cedo os investidores buscaram proteção em moedas como o dólar, o iene e o franco suíço, em meio ao nervosismo provocado pelo agravamento do acidente nuclear no Japão. Contudo, houve reavaliações de expectativas sobre as taxas de juros em mercados da Ásia e Europa e os investidores acabaram retornando para o euro, disse um operador de uma corretora. Após a tripla tragédia no Japão (terremoto seguido de tsunamis e acidente nuclear), tende a se fortalecer nos mercados o sen timento favorável a um juro mais alto porcausa das pressões inflacionárias decorrentes da alta dos preços de alimentos e energia, ainda que uma desaceleração econômica não seja descartada por causa do elevado custo de recuperação do Japão, avaliou a mesma fonte. “A possibilidade de o BCE elevar o juro em abril parece maior agora, enquanto nos EUA não se cogita mudança na política monetária”, afirmou a mesma fonte, para justificar o vaivém dos investidores.

No mercado doméstico, a expectativa por novas medidas cambiais ficou em segundo plano hoje, porque com o aumento da volatilidade do dólar o BC tende a esperar um pouco para avaliar o comportamento da moeda, disse um operador de Tesouraria de um banco local. Para ele, no entanto, essa possibilidade não está totalmente descartada, caso o dólar volte a recuar. Nesta terça-feira, o Banco Central voltou a fazer somente dois leilões de compra à vista, cujas taxas de corte foram de R$ 1,6700 e R$ 1,6670.

A Associação de Café Verde dos Estados Unidos (GCA, na sigla em inglês) divulgou hoje que o volume dos estoques de grão verde totalizaram 4.127.793 sacas em 28 de fevereiro 2011, alta de 83.280 sacas em relação às 4.044.513 sacas existentes em 31 de janeiro de 2011.

O aumento da exportação de café no primeiro bimestre impulsionou o resultado da balança comercial do agronegócio de Minas Gerais, principal Estado produtor do grão. A receita cambial com café no período alcançou recorde de US$ 828,5 milhões, valor 63,5% superior ao mesmo período de 2010. O café é o principal produto exportado pelo agronegócio mineiro e o segundo na pauta das exportações do Estado, atrás apenas de minério de ferro. O preço médio do café embarcado no período foi de US$ 3,8 mil a tonelada, uma alta de 46,64% na comparação com o acumulado janeiro/fevereiro de 2010, informa em comunicado da assessoria da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais. A receita total da exportação do agronegócio mineiro no primeiro bimestre de 2011 alcançou cerca de US$ 1,3 bilhão, superando em 40,38% a marca recorde registrada nos dois primeiros meses do ano passado.

Teve início hoje as disputas do 10º Campeonato Brasileiro de Barista,  oito dos vinte e seis baristas selecionados por meio de campeonatos regionais. O vencedor da competição irá representar o Brasil no World Barista Championship 2011, que acontecerá em Bogotá, na Colômbia, entre 2 e 5 de junho. De acordo com as regras internacionais do torneio, os participantes tem apenas 15 minutos para preparar espressos, cappuccinos e drinques com café sem álcool. A avaliação é feita por um júri liderado por José Cleofas, juiz certificador do WBC – World Barista Championship – para a América Latina. O Campeonato Brasileiro de Barista esta sendo realizado na Universidade Cruzeiro do Sul no campus Anália Franco – Endereço: Avenida Regente Feijó, 1.295 – Jd. Anália Franco – São Paulo/SP – Entrada gratuita – Informações: info@acbb.org.br .

Fonte:

http://www.revistacafeicultura.com.br/index.php?tipo=ler&mat=38381&cotacao-do-cafe—mercado-cafeeiro-encerraram-a-terca-feira-com-desvalorizacao.html