Pecuária

Menor Intervalo de partos, mais leite e mais bezerros

Situação das vacas secas e suas conseqüências

Na maioria das fazendas as vacas secas ou falhadas chegam magras ao parto, o que não é aconselhável. Isso acontece porque são colocadas nos piores pastos, e não recebem nenhuma suplementação de concentrado ou mineral. Parindo magra, o cio demora a aparecer depois do parto, como conseqüência o intervalo de partos é longo, acima de 18 meses, e o touro, praticamente, não tem função, servindo apenas de “enfeite”. Nesses casos a inseminação também vai ser pouco usada.

O que fazer

Nunca deixar a vaca parir magra, para que possa dar cio rápido depois do parto, pois, para se ter boa produção e reprodução, é preciso: ter vacas com saúde, ou seja, sem doenças; oferecer boa alimentação; adotar manejo correto.

Outro procedimento importante é descartar animal com certas doenças que o impeçam de pegar cria ou provoquem aborto, pois nesses casos o intervalo de partos vai continuar longo.

As vantagens de encurtar o intervalo de partos são o aumento na produção de leite e maior número de bezerros nascidos no ano. A tabela a seguir mostra um exemplo prático dessas vantagens.

Redução do intervalo de partos para 12 meses e aumento da produção de leite e número de bezerros

Intervalo de partos(meses) Produção de leite(litros/dia) Rebanho de 100 vacasbezerros nascidos/ano
De Para De Para % De Para
24 12 100 200 100 50 100
21 12 100 175 75 57 100
18 12 100 150 50 66 100
16 12 100 133 33 75 100
14 12 100 116 16 86 100

Pela tabela verifica-se que, ao se diminuir o intervalo de partos de 18 para 12 meses, ocorre o seguinte: numa fazenda em que a produção de leite é de 100 litros por dia, aumenta 50%, ou seja, passa para 150 litros por dia, com as mesmas vacas. Em outra fazenda com 100 vacas, a quantidade de bezerros também aumenta, passando de 66 para 100 bezerros nascidos por ano, significando 34 bezerros a mais.

Condição corporal e melhor época para a vaca ganhar peso

A presença de gordura sobre as costelas, região do lombo, as ancas e a inserção da cauda é que indica se a vaca está com boa condição corporal. A cada condição corporal é dado um valor numérico denominado escore, que varia de 1 a 5, como segue: 1 (muito magra), 2 (magra), 3 (regular), 4 (boa), 5 (gorda)

Na prática, a condição corporal ideal e desejada para a vaca parir é o escore 4, ou seja, BOA, pois, com bom estado de carne no momento do parto, o cio normalmente aparecerá antes de 90 dias depois do parto.

A melhor época para a vaca leiteira ganhar peso é nos dois a três últimos meses antes de secar (final de lactação) que é ótimo, ou, no período em que está seca (dois meses antes do parto), que é bom.

Vaca não deve parir magra nem gorda

Vaca magra ao parto demora a dar cio e custa a enxertar. Vaca gorda ao parto também dá prejuízo, porque o excesso de alimento que se transformou no excesso de gordura (desnecessária para produção e reprodução) poderia estar sendo usado por outra vaca para produzir leite.

Perda de peso depois do parto e cio pós-parto

O início da lactação é a época em que a vaca precisa de melhor alimentação, e em maior quantidade, mas é importante que uma boa alimentação esteja disponível durante todo o ano. Se a vaca parir em boa condição corporal, ou seja, no escore 4, mesmo perdendo um pouco de peso nos dois a três meses após o parto, ela deverá apresentar cio até 90 dias depois do parto.

O cio entra pela boca, isto significa dizer que se a vaca não-gestante estiver bem alimentada, o cio deverá aparecer, a não ser por algum problema reprodutivo.

Aproveitamento do cio e anotações necessárias

Não basta a vaca dar cio rápido depois do parto, se esse cio não é identificado para ser aproveitado. Geralmente, a perda de cios é grande. Assim, quem usa inseminação artificial ou touro preso (vaca em cio colocada com touro) precisa adotar um sistema eficiente de identificação dos cios. Além disso para saber a idade ao primeiro parto e o intervalo de partos, é preciso anotar a data de nascimento e de parição. Outras anotações são também importantes, como: data do cio, da cobertura, nome do touro usado na monta ou na inseminação artificial. Na dúvida, procurar a orientação de um técnico especializado no assunto.

Roberto Luiz Teodoro
Rui da Silva Verneque
Fonte: Embrapa Gado de Leite, © 2000

Fonte: http://www.portalruralsoft.com/manejo/manejoExibe.asp?id=18