Marketing e Sistemas Agroindustriais: o caso da ovinocultura

Para os agentes que operam nos Sistemas Agroindustriais (SAI’s), o marketing pode representar uma importante ferramenta de auxílio à tomada de decisão. Por meio desta ferramenta, pode-se, por exemplo, identificar novos mercados, desejos e satisfação de grupos de consumidores ou clientes em potencial, aceitação de novos produtos entre outros. Ou seja, trata-se de uma ferramenta de auxílio à tomada de decisão e de busca por maior competitividade dos Sistemas Agroindustriais.

Por definição, marketing é o conjunto de estratégias adotadas pelas firmas para alcance da satisfação total de seus clientes atuais e/ou potenciais por meio de processos de troca. Neste artigo foco será dado para uma das abordagens do marketing denominada de composto mercadológico ou 4P’s de marketing.

De acordo com Silva e Batalha (2007), os 4P’s de marketing podem ser definidos da seguinte maneira:

1.     Produtos: na análise dos Produtos, dois conjuntos de fatores podem ser avaliados, sendo estes: (a) aspectos tangíveis, tais como, cor rótulo, embalagem entre outros e, (b) aspectos intangíveis, a exemplo, da marca, prestação de serviço pós-venda etc;

2.     Preço: o Preço é o valor monetário trocado por produtos ou serviços. Pode representar uma barreira de acesso para determinados grupos de consumidores, bem como determinar o market-share (fatia ou participação de mercado) e a rentabilidade de uma firma;

3.     Ponto de Distribuição: são as organizações responsáveis pela distribuição de produtos e serviços. Buscam atender as demandas dos consumidores segundo os aspectos de localização, quantidade e preço. Além disso, devem adotar estratégias para estimular a demanda;

4.     Promoção ou composto de comunicação: são as atividades relacionadas à comunicação entre a firma e seus clientes. Nestas atividades estão inclusas as propagandas, promoção de vendas, merchandising, venda pessoal e relações públicas.

Diante desta constatação, o presente artigo apresenta uma breve identificação e análise dos 4P’s de marketing adotados para a comercialização de carne ovina no Município de Maringá, PR. Para tanto, além de revisão bibliográfica relativa ao marketing, foram definidos para análise três diferentes canais de distribuição: (1) supermercados; (2) hipermercados e (3) açougues. Para o conjunto destes canais, 11 pontos de venda foram visitados sendo estes: cinco açougues, três supermercados e três hipermercados.

 

 

Identificação dos 4P’s de Marketing para a Carne Ovina

A análise dos 4P’s poderá indicar pontos de alavancagem para incremento da demanda e conseqüentemente, da participação de mercado da carne ovina no Município estudado. Os resultados desta análise são apresentados a seguir.

Entre os canais de distribuição visitados, a totalidade deles dispunha de carne de ovinos. Em 82% foram encontrados cortes congelados, sendo estes os seguintes: (a) carré; (b) paleta; (c) pernil; (d) costela, (e) picanha e (f) T bone. Nos demais, foram encontrados cortes e carcaças resfriadas. Os cortes mais freqüentes, entre os produtos resfriados e congelados, foram a costela e o pernil, ambos presentes em 72% dos pontos de venda. Nestes produtos, oito diferentes marcas foram encontradas, sendo todas estas registradas no Sistema de Inspeção Federal (SIF).

Para o canal de comercialização “açougues”, em 40% deles, além dos cortes, foram encontradas carcaças e meias-carcaças resfriadas. Tais produtos representam a principal diferença entre este canal e os canais “supermercados e hipermercados”.

A análise do ponto de distribuição revelou que em 45,4% dos locais visitados a carne de ovinos estava disposta em congeladores e/ou refrigeradores comuns às carnes suína, bovina e de aves; ou seja, estavam acondicionadas em locais específicos para carnes, mas não específicos para carne de ovinos. Outras 36,3% estavam dispostas em locais não específicos para a comercialização de carnes, estando dispostas com massas e outros gêneros alimentícios. E por fim, 18,1% das carnes estavam organizadas em locais específicos para a comercialização de carnes consideradas exóticas.

Deve-se destacar ainda, que com exceção das carcaças refrigeradas, grande parte dos cortes apresentava filme plástico sobreposto à primeira embalagem do produto e excesso de gelo. Fato este, que dificulta a identificação do produto pelo consumidor, seja de aspectos intrínsecos à carne, tais como, cor e gordura, e/ou de informações contidas nos rótulos e etiquetas do produto, a exemplo, de marca, origem, sistema de inspeção, data de validade, modo de preparo, entre outros.

Outro fator de grande importância para decisão de compra e, conseqüentemente, para definição da participação de mercado que o produto ocupa é o preço. O preço de determinados produtos pode representar uma barreira de acesso para grupos de consumidores de menor poder aquisitivo. Neste estudo, o preço médio de venda entre os pontos de venda e de acordo com cada produto foi o seguinte: carré (R$21,75/Kg); pernil (R$17,89/Kg); paleta (R$14,98/Kg); costela (R$9,90/Kg) e picanha (R$18,87/Kg). Para o conjunto destes produtos, o preço médio foi de R$17,89/Kg.

Por fim, a verificação das características de promoção indica pouca atenção destinada para esse fator. Entre os 11 pontos de venda visitados, em apenas um deles – supermercado – foi identificada estratégia de promoção; sendo esta feita com cartazes de papel cartolina que indicavam a presença do produto e o preço.

 

 

Conclusões e propostas

Diante desta análise, conclui-se que há falhas nas estratégias de marketing adotadas pelos agentes da cadeia da carne ovina no Município de Maringá, PR. Para tanto, as seguintes propostas são feitas: (a) disposição mais adequada dos produtos nos pontos de venda, a exemplo da instalação de refrigeradores ou congeladores específicos para carne ovina, estando estes devidamente identificados; (b) adoção de embalagens de mais fácil visualização do produto e de informações contidas nos rótulos; (c) não utilização de filme plástico sobreposto à embalagem inicial; (d) incremento de promoção nos pontos de venda e fora destes, a exemplo, de propagandas na televisão, outdoors entre outros e (e) crescimento de escala e/ou parcerias entre agentes na tentativa de redução do preço ao consumidor.

Referências

BÁNKUTI, F. I; MACEDO,  F. A. F; MIRANDA, S. U; PETENAZZ, C; CESSEL, A. M; GOMES, A. P. Análise do Marketing mix (4P’s) para a carne ovina no Município de Maringá, PR. In: Anais do V Simpósio de Ciências da Unesp de Dracena – SICUD. Dracena, SP. 2009.

SILVA, T. D; BÁNKUTI, F. I. Pesquisa de Marketing: Conceitos e Estratégias no Agronegócio. In: Anais do V Simpósio de Ciências da Unesp de Dracena – SICUD. Dracena, SP. 2009.

SILVA, A. L; BATALHA, M. O; Marketing estratégico aplicado ao agronegócio. In: BATALHA, M. O. (coord.). 3° ed. Gestão Agroindustrial. São Paulo: Atlas, 2007, v.1 p. 113 – 182.

Autor: Ferenc Istvan Bánkuti

Fonte: http://www.iepec.com/noticia/marketing-e-sistemas-agroindustriais-o-caso-da-ovinocultura