Notícias

Mantido desde 2006 pela Cocamar em Maringá, Projeto Cultivar inaugura viveiro em Rolândia

06/03/2015

“Produzir florestas com mãos especiais”: essa frase resume o objetivo do Projeto Cultivar, uma premiada iniciativa com foco no meio ambiente e inclusão social que a Cocamar Cooperativa Agroindustrial implementa desde 2006, em Maringá, por meio de seu Instituto Constâncio Pereira Dias.

A realização envolve a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), onde alunos são contratados pela cooperativa para a produção de mudas de espécies nativas. Todo esse material é repassado gratuitamente a produtores rurais e prefeituras para a recomposição de áreas de preservação permanente. A partir de 2011, a empresa Bayer Cropscience se tornou apoiadora do projeto.

Nesta quarta-feira (4/3), o Cultivar inaugurou o seu segundo viveiro, implantado na chácara da Apae em Rolândia, município da região norte paranaense, onde a entidade conta com 200 alunos, dos quais 12 foram selecionados e treinados para participar da atividade.

ORGULHO – Uma cerimônia de inauguração das instalações reuniu dirigentes e representantes das partes envolvidas. “Um dos aspectos mais importantes é que o projeto assegura direitos e cidadania aos alunos”, comentou a presidente da Apae, Neiva Moser. Na visão do presidente-executivo da Cocamar, José Fernandes Jardim Júnior, Rolândia tendo tudo repetir o êxito alcançado pelo viveiro de Maringá, acrescentando que o trabalho desenvolvido “é motivo de orgulho para a Cocamar”. Ambos ressaltaram também o diferencial dessas mudas, que são feitas por alunos especiais.

“É uma grande satisfação para a Bayer participar do projeto”, frisou o gerente regional da empresa para o norte do Paraná, Marco Andrey Salle, enquanto o vice-prefeito do município, José Danilson, agradeceu o fato de a Cocamar ter escolhido Rolândia para sediar o projeto.

APLAUDIR – Sob a orientação da instrutora Ingrid Queiroz, os alunos são de várias faixas etárias. Danilo Fernandes Pereira, que tem 20 anos, disse que vai ser o seu segundo emprego e Ricardo Pontes, de 35, afirmou gostar de trabalhar com plantas. Por fim, dona Aurora, mãe de João Carlos Candreva, de 53 anos, contou que o filho ficou contente por ter sido escolhido para trabalhar no viveiro. E completou: “temos que aplaudir iniciativas assim”. Entre as espécies cultivadas, segundo Ingrid, estão aroeirinha, paineira, mutambo, jangadeiro, gurucaia, pau d’alho e vários tipos de ipês, próprias para florestas.

Com o início de funcionamento do viveiro de Rolândia, o Projeto Cultivar poderá ampliar sua produção de mudas de 45 mil para 60 mil unidades por ano, no total. Em Maringá, são 30 alunos participantes.

Fonte: Cocamar