Manejo Reprodutivo – Ciclo Reprodutivo da Égua.

A égua apresenta comportamento poliéstrico estacional, isto é, faz cios (ciclo estral) regulares num determinado período do ano. Este período corresponde ao de maior duração da luz do dia, primavera e verão. Um fator importante para a égua fazer cios regulares é a condição corporal (estado nutricional); éguas muito magras não realizam ciclos regulares, podendo continuar em anestro (ausência de atividade reprodutiva) por um longo período. O ciclo estral dura, em média, 20-21 dias; que é o intervalo regular entre duas ovulações. A ovulação é a liberação do óvulo (oócito) para ser fecundado por um espermatozóide.

O ciclo estral é divido em duas fases, o Estro e o Diestro. O estro é vulgarmente chamado de Cio, e nesta fase, por influências hormonais, a égua aceita a monta do garanhão; normalmente dura de 5 a 7 dias. O diestro é o período entre a última ovulação e um novo estro; neste período de aproximadamente 14 dias a égua não aceita a monta do garanhão. 

A palpação retal e o exame ginecológico são utilizados pelo médico veterinário para diagnosticar o status reprodutivo da égua. Deste modo pode-se definir a fase do ciclo estral, melhor momento para cobertura ou inseminação artificial, diagnóstico de prenhez e de problemas reprodutivos. A ultra-sonografia e os exames vaginais são instrumentos que auxiliam o médico veterinário.

A gestação normal da égua dura em média 330 dias, podendo variar de 320 à 350 dias. O Cio do Potro acontece de 5 a 18 dias após o parto. É normalmente um cio fértil, porém em certos casos podem acontecer problemas reprodutivos neste cio (principalmente após a cobertura) que requerem a intervenção do médico veterinário.

Os problemas mais comuns que interferem no ciclo estral podem ser de origem ovariana ou uterinas. Os problemas ovarianos incluem tumores e hematomas ovarianos, entre outras. De origem uterina citamos as endometrites como causa direta, endometroses e cistos endometriais como causas indiretas. Além disto as perdas embrionárias e fetais, interrompendo a gestação, podem afetar negativamente o ciclo estral. Interrupções na gestação podem ter origem infecciosa ou não-infecciosas; sempre recomendamos investigar a causa da perda embrionária e abortos.

Há ainda uma fase de transição entre os períodos de anestro e de ciclos regulares. É a chamada Fase Transicional, onde ocorre a adaptação do endométrio (interior do útero) e início da atividade folicular dos ovários. Esta fase tem duração muito variável (2-3 semanas) onde nem sempre ocorrem sinais externos de cio, e acaba quando ocorre a primeira ovulação da temporada.

Fonte:

http://www.personalhorse.com.br/PH%20saudeequina.htm#Transferência de Embrião no Eqüino