Mamão

Mamão, banana, cenoura e batata ficam mais baratos

20/10/2016

Mamão e banana apresentaram queda de preços em setembro em relação ao mês anterior. É o que aponta o 10º Boletim Prohort de Comercialização de Hortigranjeiros nas Ceasas em 2016, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), nesta quinta-feira (20).

O preço do mamão, que em agosto teve alta generalizada, caiu em oito das nove centrais de abastecimento analisadas pela Conab. A cotação subiu apenas em Brasília, 2,31%. Nas outras capitais, o recuo chegou aos dois dígitos, com destaque para Vitória, onde o produto ficou 37,41% mais barato. A tendência de baixa é explicada pela maior oferta de mamão papaya, devido à queda nas exportações da fruta.

Com o aumento da oferta, a banana também registrou queda no preço em sete Ceasas. A maior redução foi em Recife, de 19,96%. Dentre as altas verificadas para o produto, o aumento mais expressivo aconteceu em Curitiba, 19,51%.

Ao contrário da banana, a laranja ficou mais cara em sete mercados. A baixa oferta no estado de São Paulo e uma demanda aquecida em diversas regiões estão entre as causas do aumento.

A melancia apresentou alta de preços entre 0,44% (em Curitiba) e 27,59% (em Belo Horizonte), pois a demanda cresceu em relação à oferta devido à boa qualidade do produto. Já a alta qualidade da maçã não resultou em crescimento significativo de preços devido ao baixo consumo da fruta nesta época do ano. O aumento mais expressivo foi de 7,3%, no Rio de Janeiro/RJ.

Hortaliças

Batata e cenoura ficaram ainda mais baratas em setembro na comparação com o mês anterior. As principais reduções de preços para essas hortaliças foram de 33,34% para a batata, em Vitória, e de 20,18% para a cenoura, em Curitiba. A baixa se deve à grande oferta de produtos no mercado. Recife foi a única capital que registrou aumento no preço da cenoura: 18,23%.

Alface e cebola não tiveram movimentos uniformes nos mercados observados. Enquanto na Ceagesp, em São Paulo, a alface subiu 35,89%, em Curitiba os preços recuaram 20,46%. A cotação da cebola também caiu em Curitiba (11,23%), mas aumentou 16,86% em Fortaleza.

O comportamento de preço do tomate pode ser considerado de alta. Recife apresentou o maior reajuste (+37,54%), seguido de Curitiba (+12,79) e Rio de Janeiro (8,63%). Em caminho contrário, Campinas e São Paulo registraram queda de 13,2% e 2,05%, respectivamente.

O levantamento é feito mensalmente pelo Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort) da Conab, a partir de informações fornecidas por grandes mercados atacadistas no país. Para a análise do comportamento dos preços de setembro, foram considerados os principais entrepostos dos estados de SP, MG, RJ, ES, PR, CE, PE e DF.

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento