Pecuária

Mais Leite encerra programação de dia de campo com público recorde em Sidrolândia

12/09/2016

O município de Sidrolândia finalizou a programação anual de encontros técnicos sobre segmento leiteiro com participação de 300 produtores atendidos pelo programa Mais Leite do Senar/MS – Servico Nacional de Aprendizagem Rural, durante evento realizado neste sábado (10), no parque de exposições Waldomiro João Comparim. Ao todo foram realizados quatro dias de campo oferecendo informações sobre manejo, alimentação e tecnologia na formação de rebanho especializado e alcançando mil produtores em todo Estado.

Em Mato Grosso do Sul, 930 produtores rurais são atendidos pela metodologia de ATeG – Assistência Técnica e Gerencial em 39 municípios. O objetivo é promover o aumento da produtividade por meio de intervenções de baixo custo e que resultem na eficiência produtiva das famílias atendidas.

O presidente do sindicato rural, Rogerio Menezes explica que o programa oferece informação e tecnologia necessárias aos participantes para que consigam ter independência financeira do seu negócio. “Com apoio do Senar/MS estamos levando condições para que os produtores melhorem sua atividade, aumentem a rentabilidade e consigam caminhar com as próprias pernas. O dia de campo realizado aqui no parque de exposições contribuirá para este objetivo ao apresentar exemplos eficientes de gestão e manejo na atividade”, argumenta.

A coordenadora do programa Mais Leite, Bruna Bastos aponta as diretrizes do programa e a razão da eficiência alcançada junto aos produtores do Estado. “Temos uma equipe de técnicos preparada para levar assistência técnica e gerencial aos produtores e o diagnóstico unânime é de que os produtores sentem falta de orientação profissional. Para atender esta demanda, a metodologia do Senar oferece visitas mensais com quatro horas de duração e capacitação a cada dois meses, com intuito de qualificar este público e oferecer uma visão mais ampla da atividade produtiva”, observa.

Participação Ativa – O produtor rural Renir Martinelli possui uma propriedade em Sidrolândia e investe na diversificação da produção, com plantio de lavoura, piscicultura e recentemente iniciou a produção de leite. Animado com o evento que considera fundamental para os produtores, emprestou dois bezerros que personificaram a prática do manejo com aleitamento artificial. “Fico satisfeito em poder contribuir com este dia de campo, pois, acredito que temos muito que aprender em nosso trabalho. Eu comecei a pouco tempo na produção de leite, ainda estou investindo na compra de animais com genética e quero aproveitar as informações oferecidas pelos técnicos”, pontua.

Para Daniel Guimarães, que veio ao evento junto com a caravana de Terenos, o programa foi um ‘divisor de águas’ e relata a evolução que obteve ao receber orientação técnica. “Moro no assentamento Campo Verde e há alguns anos trabalhei com pecuária de leite, porém, a falta de informação e a baixa produtividade me fizeram desistir. Quando conheci o programa do Senar/MS resolvi me dar outra oportunidade e o resultado é que modifiquei a gestão do minha propriedade e já consigo produzir 100 litros de leite diariamente”, comenta animado.

Marcelo Paes veio com a caravana de Aquidauana e participa do Mais Leite há três meses. Na opinião do produtor, as mudanças já começaram a ser comprovadas na redução com os custos de produção. “A primeira orientação que recebi foi sobre o manejo de pastagens, pois, não conseguia produzir uma forrageira eficiente e acabava tendo que gastar mais com silagem. Com apoio do técnico do Senar/MS aprendi como adubar o pasto e investi no plantio de capim Mombaça e piqueteamento rotacionado. O resultado veio em pouco tempo, pois reduzi consideravelmente a compra de silagem e quero investir em inseminação artificial para produzir meus próprios animais de leite”, confidencia.

Uma das técnicas de campo responsáveis por atender os produtores de Sidrolândia é a médica veterinária Natália Leite que reforça a importância do evento para as famílias atendidas. “Comprovamos o resultado destes encontros já na primeira visita que realizamos nas propriedades. Os participantes querem discutir conosco as informações que aprendem o que torna nosso trabalho ainda melhor, no que se refere as orientações de manejo”, conclui.

Fonte: Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul