Pecuária

Leite no Mato Grosso do Sul vive bom momento diz Famasul

23 de março de 2017

Após dois anos seguidos em quedas, 2017 iniciou em alta no mercado de leite em Mato Grosso do Sul. O mês de janeiro, com volume de 22,5 mil litros, comparado a dezembro de 2016, apresentou crescimento de aproximadamente 14%. Cenário diferente do segundo semestre de 2015 e contraste ainda maior com o final de 2016. As informações constam no primeiro Boletim de Bovinocultura de Leite do Sistema Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS que, a partir de agora, será divulgado mensalmente.

O comum é que em dezembro o volume seja maior, já que se trata do pico da safra na produção do leite, porém este ano a realidade atual dos preços está diferente daquela registrada nos períodos anteriores. “Os valores pagos ao produtor estão melhores. Com isso, ele poderá retomar o investimento na atividade e intensificar a produção”, explica a analista de economia do Sistema Famasul, Eliamar Oliveira.

Preço

Os bons preços do leite em 2017 são os melhores desde o início da série do Conseleite/MS – Conselho Paritário de Produtores e Indústrias de Leite em MS, em 2012. No mês de fevereiro, o litro foi cotado a R$ 0,94, alta de 2,3% em relação ao primeiro mês do ano quando o valor foi de R$ 0,91. “A projeção de preço em alta deverá permanecer nos próximos meses tendo em vista a proximidade do período de entressafra,  marcado por estiagem de chuvas e baixas temperaturas. A estimativa para março aponta alta de 3,9% com valor estimado em R$ 0,97”, afirma.

Milho x Leite

Em fevereiro, para o produtor adquirir uma saca de milho ele precisou de 28,6 litros de leite, um ganho superior a 28%, considerando que em janeiro de 2016 eram necessários aproximadamente 39,9 litros para a mesma quantidade de milho.

O cereal é o principal componente da ração fornecida aos animais. “A cotação do milho dentro de parâmetros mais comuns que o vivenciado em 2016 e os bons preços do leite justificam o ganho nessa relação de troca” comenta.

“Nem sempre podemos utilizar como parâmetro picos de produção, situações atípicas, como por exemplo a cotação do milho, que leva a adoção de alternativas para alimentar o rebanho e que pode interferir no mercado”, comenta.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa Sistema Famasul – Ellen Albuquerque