Pecuária

Korin realiza primeira exportação de frangos orgânicos do Brasil

07/11/2016

8 toneladas de frangos livres de antibióticos e com certificação orgânica já partiram para Hong Kong

A Korin Agropecuária protagoniza um fato inédito no Brasil e dá início à primeira exportação de frangos orgânicos da história do País. O primeiro local a receber o frango orgânico, nas versões inteiro e cortes (coxa, sobrecoxa, asa, meio da asa, coxinha da asa e filé de peito) será Hong Kong, um dos maiores importadores de frango do mundo.

O projeto, que começou em 2014, foi concretizado no dia 16 de outubro, com a partida do primeiro container de 8 toneladas do Brasil rumo a Hong Kong. O segundo container já está programado para sair do País daqui a, aproximadamente, dois meses e já contará com o dobro da tonelagem do primeiro envio.

“O mercado asiático é muito exigente, bem informado e está disposto a pagar um pouco a mais por produtos de qualidade. Lá, já existem marcas de orgânicos, porém a Korin foi procurada por produzir frangos livres de antibióticos, com tradição em certificação de bem-estar animal e por ser embasada na filosofia da Agricultura Natural, preconizada por Mokiti Okada”, explica Reginaldo Morikawa, diretor superintendente da Korin.

A exportação cumpre parte crucial da estratégia da empresa, que visa a expansão da presença da marca e dos produtos em outros mercados, reforçando o plano de crescimento sustentável de suas operações domésticas e adquirindo experiência no exterior.

O produto chega à Hong Kong sob à marca Earth&Barrow, por intermédio da importadora Novant, que negociou com a maior rede de varejo do sudeste asiático, a Park’n’ Shop, que, ao todo, tem mais de 260 lojas somando Hong Kong e Macau. Os frangos orgânicos, com a marca Earth&Barrow e produzidos pela Korin, iniciam suas vendas em 15 lojas, em Hong Kong, e o objetivo da rede é chegar a 40 lojas em seis meses.

Mesmo iniciando este novo desafio, a empresa firma um compromisso com os consumidores, garantindo que a produção para o mercado interno prevalecerá. Prova disso é que a meta estipulada para exportação é de, no máximo 10% de sua produção de frangos orgânicos.

A expectativa da empresa é de crescer na exportação, não só com orgânicos, mas também com o frango livre de antibióticos, visando a mercados que valorizem o produto. “Outros países já demonstraram interesse em importar o nosso frango, mas todos estão ainda em fase de estudos como Peru, Colômbia, Chile, Angola, Japão, Emirados Árabes Unidos e países da Europa”, afirma Morikawa.

Fonte: Agrolink