Pecuária

Japão de olho na carne bovina de Mato Grosso

Publicado em 08/12/2015

Com a reabertura do mercado Japonês à carne bovina processada do Brasil, a ALIC – Agriculture & Livestock Industries Corporation, visita Mato Grosso para conhecer a realidade e a perspectiva da produção da carne bovina brasileira, visando a ampliação de mercado do setor entre os países. Quem recebe e coordena os membros do governo do Japão é a Associação de Criadores de Mato Grosso – Acrimat.

O grupo é formado por Masayoshi Kinoshita, Coordenador Senior de Higiene e Inspeção e Kenta Yonemoto, pesquisador do departamento de informações e pesquisa, membros da ALIC, que é uma entidade subordinada ao Ministério da Agricultura, Floresta e Pesca do Japão, e Milton Nonaka, contato da ALIC no Brasil. Acompanhados do Gerente Institucional da Acrimat, Nilton Mesquita Junior e do consultor Amado de Oliveira Filho, eles visitaram nesta segunda-feira, 07/12 uma planta frigorífica em Diamantino. E no dia 08/12, visitam a Estância Anna Sofia, em Santo Antônio do Leverger.

Em outubro o Brasil integrou a Aliança Internacional dos Produtores de Carne Bovina (International Beef Alliance – IBA), representado pela Acrimat e pela Assocon. Segundo a ALIC, o Brasil está cada vez mais presente no mercado mundial da carne bovina e exerce influência expressiva na relação de oferta e procura. Ainda considerando a pesquisa realizada por eles em setembro de 2015, que aponta estagnação da produção na Australia e nos USA, que são os principais exportadores, e uma tendência da criação de gado confinado no Brasil, a ideia é uma fazer um novo levantamento que apresente os sistemas de produção e exportação de carne bovina utilizados; o fluxo de exportação – capacidade logística; condições exigidas por países de destino – como é o caso dos Estados Unidos; e as tendências de confinamento – capacidade de produção e perspectivas.

Para o presidente da Acrimat, José João Bernardes, a escolha de Mato Grosso para a visita vai além da liderança entre os rebanhos nacionais. “Além do maior rebanho brasileiro, a pecuária mato-grossense tem se destacado tanto no controle sanitário quanto na produção ecológica de seus rebanhos. Mato Grosso está apto a atender toda e qualquer exigência para exportações de carne bovina”, destacou Bernardes. Mato

Grosso tem 24,9 milhões de hectares de pastagens com o maior rebanho nacional de mais de 28 milhões de cabeças, produz sozinho 1,3 milhão de toneladas de carne, e é o segundo na lista dos maiores exportadores brasileiros, com 317,9mil ton/ano de proteína vermelha enviada para outros países.

Fonte: Acrimat