Curiosidades

Horta escolar incentiva educação ambiental e alimentação saudável na rede pública estadual

06/01/2017

Colocar a mão na terra e manusear sementes e mudas. Tarefa simples, porém enriquecedora no cotidiano dos estudantes da rede pública de ensino em Minas Gerais. Mais que adubar, plantar e colher, a existência da horta escolar é importante para a merenda, auxilia na mudança de hábitos alimentares e desperta o interesse dos alunos pela conservação do meio ambiente.

É esse o objetivo do trabalho desempenhando pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) nas escolas públicas – municipais e estaduais de Belo Horizonte. O projeto consiste em ensinar as crianças, desde cedo, de onde vêm a alface e a cenoura, por exemplo, que aparecem nas refeições de cada dia. Para isso, elas aprendem as práticas do cultivo.

Os estudantes da Escola Estadual Pestalozzi, em Belo Horizonte, adquiriram consciência ampla sobre alimentação e meio ambiente, de acordo com a diretora Marise de Melo Uchoa Albuquerque.

“O trabalho da Emater é bastante rico.  A partir dele, as crianças se envolveram com a horta escolar, que passou a produzir, além das hortaliças, cenoura e milho”, cita Marise. “Toda semana tinha bolo de milho ou cenoura, para as crianças”, completa. Ela espera novo apoio da Emater no próximo ano, passado o período das chuvas.

Para o coordenador técnico regional da Emater-MG em Belo Horizonte, Wagner Fanti, a parceria com as escolas proporciona aos alunos, além do contato com a terra, experiências de métodos ecológicos para a produção de alimentos. Entre elas o aproveitamento de garrafas PET e uso de adubos naturais.

“O estudante aprende sobre o valor nutritivo dos alimentos ao participar do seu cultivo, sem falar da  satisfação de consumir o que ajudou a plantar”, diz Fanti.

Socioeducativo

Os jovens que cumprem medidas socioeducativas nas unidades da capital –  Centro Socioeducativo Santa Terezinha (Horto), Centro Socioeducativo Santa Helena (Vale do Jatobá) e Centro Socioeducativo Santa Clara (Capitão Eduardo) também aprenderam a lidar com terra.

As técnicas vão desde o preparo do solo, incluindo semeio,  até a manutenção e combate às pragas sem o uso de agrotóxicos.   O objetivo da Emater é justamente propiciar uma alternativa de renda futura para os jovens, assim que a pena for cumprida.

“É um trabalho gratificante esta oportunidade de mostrar para os jovens a importância que o agricultor tem para as cidades. Por outro lado,  também que podemos ter muitos destes alimentos em nossas casas”, defende a extensionista da Emater-MG, Elenice Lamounier de Freitas.

Elenice é responsável por ministrar as oficinas de plantio e manutenção das hortas, tanto nas escolas quanto nas unidades socioeducativas.

Alimentação saudável

O estímulo do Estado às hortas escolares e comunitárias propicia o cultivo de hortaliças, verduras e legumes na rede pública de ensino, hospitais, sistemas penitenciários e centros socioeducativos.

Para tanto, são elaborados os projetos de planejamento de plantio, com assistência técnica e acompanhamento das atividades de manutenção e colheita, além da distribuição de folhetos didáticos com orientações sobre o plantio e controle de pragas.

As escolas ou outras entidades interessadas podem fazer a solicitação pelo endereço eletrônico belo.horizonte@emater.mg.gov.br, informando o endereço, telefone de contato e o responsável pelo local. As oficinas são ministradas sem custo, mas as escolas devem fornecer materiais como terra, húmus de minhoca (um tipo de adubo natural) e as mudas.

Fonte: Emater/MG