Defensivos

Helicoverpa está sob controle no MS, diz Iagro

Publicado em 08/10/2015

No período atual e como fruto do resultado das vistorias em nível de campo e das coletas de informações com fundações, empresas privadas, cooperativas e produtores, a Iagro, por meio de sua Divisão de Defesa Vegetal, concluí em recente relatório que a temida praga Helicoverpa armigera, apesar de se encontrar distribuída no Estado de Mato Grosso do Sul, está devidamente monitorada e controlada.

Também, de acordo com o relatório da Agência Estadual de Defesa Animal e Vegetal (Iagro), a praga da soja está mais presente nos municípios localizados ao norte do Estado, tais como Chapadão do Sul, Água Clara e Paraíso das Águas.

Conforme explicação do engenheiro-agrônomo e chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal da Agência, Filipe Portocarrero Petelinkar, no cenário apresentado, não houve por parte da Iagro a necessidade de fazer cumprir o que dispõe o Decreto Mapa nº 8.133, de 28 de outubro de 2013, e a Portaria Mapa nº 1.177, de 22 de dezembro de 2014, quanto à emissão de autorização de uso emergencial de produtos para a contenção da referida praga.

Anunciou, também, o representante da Iagro que já existem os recursos para as atividades de vistoria e monitoramento da praga após a implantação das lavouras da safra 2015/2016, especificamente entre os meses de outubro de 2015 e janeiro de 2016. Esses recursos estão previstos no convênio firmado entre o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e o governo de Mato Grosso do Sul, por meio da Iagro.

A SOJA EM MS

O Estado é composto por 79 municípios e, entre esses, 65 são produtores de soja e milho. Na safra 2013/2014, foram plantados 2 milhões e 117 mil hectares de soja, e na safra 2014/2015 as lavouras atingiram área de 2 milhões e 300 mil hectares, conforme os dados do IBGE.

Na safra 2013/2014, foram realizadas vistorias para acompanhamento, monitoramento e controle da praga Helicoverpa armigera nos municípios de Chapadão do Sul, São Gabriel do Oeste, Naviraí, Maracaju e Paraíso das Águas, tendo sido coletadas amostras de adultos dessa praga em culturas da soja, algodão e Brachiária cv. marandu. Todo esse material foi posteriormente encaminhado para fins de identificação das características morfológicas dos adultos em laboratórios credenciados para esse fim.

Foram obtidos resultados positivos para a praga Helicoverpa armigera, o que motivou a decretação de estado de emergência fitossanitária relativo ao risco de surto da praga no Estado de Mato Grosso do Sul.

No fim de 2014, foi realizada capacitação técnica com participação de 28 técnicos da Iagro, um participante do Mapa e cinco da Embrapa, em evento realizado na Embrapa Agropecuária Oeste, com treinamento de campo para identificação da praga.

Foram realizadas vistorias em partes significativas das áreas instaladas com lavouras em 436 propriedades rurais, estabelecidas com predominância da cultura de soja, milho e algodão. Esse trabalho foi distribuído em 44 municípios do Estado, totalizando 156 mil e 658 hectares de lavouras.

Foram coletadas seis amostras de adultos dessa praga nos municípios de Ponta Porã, Costa Rica, São Gabriel do Oeste, Chapadão do Sul e Água Clara, com resultado negativo apenas para o município de Costa Rica e uma identificação da praga no município de Ponta Porã, onde não tinha sido detectada na safra anterior.

Em abril, foram vistoriados 10.440 hectares de lavouras de soja safrinha (plantada após a colheita da safra de verão em sucessão à soja ou a outra cultura), distribuídas em 70 propriedades, em 12 municípios. Observou-se, entre outros aspectos, o impacto da praga nos custos de produção, assim como o manejo adotado para o controle fitossanitário.  O resultado mostrou incidência da lagarta apenas em duas áreas, em Caarapó e Sidrolândia.

Fonte: Iagro