Mamona

Governo orienta plantio de milheto, caju, arroz e mamona

Publicado em 16/09/2010

Zoneamento agrícola aponta municípios aptos para o cultivo em Mato Grosso do Sul, Bahia, Piauí, Pará e Maranhão

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) definiu o zoneamento agrícola para as culturas do milheto em Mato Grosso do Sul; caju, na Bahia e Piauí; arroz de sequeiro (sem irrigação), no Pará, e mamona no Maranhão. O zoneamento identifica as áreas e os períodos de plantio mais apropriados para minimizar riscos climáticos coincidentes com as fases mais sensíveis das culturas. Além dessas características, são indicadas as cultivares mais adaptadas à região e os tipos de solos favoráveis, conforme sua textura.

As normas foram publicadas no Diário Oficial da União por meio das Portarias nº 306 a 310, na quarta-feira, 15 de setembro. O milheto é uma planta forrageira bastante utilizada no Brasil, especialmente na região Sul, como semente para produção de ração e cobertura de solo no sistema de plantio direto. Também pode recuperar pastagens no sistema Integração Lavoura-Pecuária e ser utilizada na alimentação animal em forma de silagem (técnica de conservação da planta) em locais com deficiência hídrica.

Já o caju assume papel cada vez mais significativo na economia nordestina, com  geração de emprego e renda principalmente no beneficiamento da castanha. O cajueiro é uma planta tropical, que exige condições de temperatura entre 22ºC e 32ºC, muita luminosidade e altitude inferior a 600 metros.

A mamona destaca-se pelas várias aplicações do óleo extraído de suas amêndoas, cujos teores variam de 43% a 49%, dependendo da variedade e da região. A planta apresenta tolerância à seca, sendo uma boa alternativa de cultivo em diversas regiões do País. Apenas o excesso de umidade é prejudicial durante o ciclo da cultura. A produção de arroz de sequeiro depende do regime pluvial, pois a ocorrência de seca durante a fase de formação dos grãos compromete a produtividade da cultura.  O Pará produziu, na safra passada, 273 mil toneladas de arroz em 136 mil hectares, conforme levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Fonte: MAPA