Trigo

Força da agroindústria foi destacada por Maggi em Congresso da Abitrigo

Publicado em 23/10/2017

Consumo do cereal no país é de 11,5 milhões de toneladas por ano

Em discurso, no 24º Congresso Internacional da Indústria do Trigo, promovido pela associação brasileira do setor (Abitrigo), nesta segunda-feira (23) em Campinas (SP), o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi destacou a força da agroindústria do país e da cadeia do cereal. Maggi lembrou que, no último mês de setembro, os produtos agrícolas representaram 45,8% das exportações totais brasileiras, direcionadas para mais de 150 países.

Na atual safra agrícola, a produção brasileira de trigo está estimada em 5 milhões de toneladas, com cultivo ocupando 1,9 milhão de hectares. Os estados com maior produção são o Paraná, com 2,3 milhões de toneladas, e o Rio Grande do Sul, com 1,8 milhão de toneladas.

O mercado de consumo do país é de 11,5 milhões de toneladas, o que torna necessário importar cerca de 7 milhões de toneladas, sendo 4 milhões provenientes da Argentina. É importante, de acordo com o ministro, que haja complementaridade nas relações comerciais e, sobretudo, “não haver descontinuidade no fornecimento para o consumidor final. É a garantia da segurança alimentar que todos nós trabalhamos para manter”.

O congresso, realizado anualmente pela Associação Brasileira da Indústria do Trigo, presidida por Rubens Barbosa, é hoje um dos eventos mais importante do agronegócio brasileiro. Reúne representantes da indústria de alimentos e do governo, produtores e moageiros para discutirem temas que desafiam o setor.

Embrapa

Em visita à sede da Embrapa Monitoramento por Satélite, em Campinas, o ministro viu de perto todo o trabalho feito no local, com mapas e informações sobre áreas preservadas, plantadas, reservas indígenas e terras usadas na reforma agrária. De acordo com o chefe da unidade, Evaristo Miranda, com base nesses dados, o governo, incluídos a Casa Civil e Ministério do Planejamento, executa políticas de desenvolvimento, de infraestrutura.

A Embrapa Territorial, que também fica em Campinas, está desenvolvendo um sistema que permite acompanhar dados de preservação. O Sistema de Inteligência Territorial da Macrologística Agropecuária da Embrapa monitora dez cadeias produtivas, com informações sobre produção anual, destinação, movimentação interna, externa, subprodutos, fluxo de cargas , picos de exportações e informações de cada região produtora. Incluem a cadeia de grãos, açúcar e álcool e pecuária, entre outras.

Maggi conferiu, ainda, dados atualizados do CAR (Cadastro Ambiental Rural) que é abastecido mensalmente e projetos em andamento na empresa baseados em dados coletados por satélite.

Fonte: Mapa