variedades

Orquídeas – Estranhas e perfumadas – I

Bulbophyllum graveolens

Com tamanho volume, torna-se difícil imaginar a diversidade de formas, tamanhos, cores e perfumes de tantas plantas. Mas, apesar dessa grande variedade, quando se fala de orquídeas, a maioria das pessoas imagina, em primeiro momento, as flores exuberantes das espécies dos gêneros mais populares, como Cattleya, Miltonia, Laelia, Phalaenopsis e Vanda. Essas são incontestavelmente belas, pelo menos, de acordo com o senso comum. Mas, existem muitas orquidáceas de forma diferenciadas, que possuem belezas particulares.

Admiradores de orquídeas, em especial, enxergam mais facilmente a aparência diferenciada e única de plantas que muitos tacham como estranhas e até mesmo feias.

As espécies dos gêneros Bulbophyllum, Catasetum e Stanhopea como exemplo de orquidáceas tidas como esquisitas.
No entanto, mesmo não apresentando muitos admiradores, aqueles que as apreciam são, geralmente, grande entusiastas. Não é difícil encontrar colecionadores dedicados exclusivamente a elas.

Essas plantas, além de apresentarem flores exóticas, também podem ser de fácil cultivo. É o caso das Masdevallia e Dracula.
A partir daí, pode-se concluir que essa dificuldade, juntamente com a aparência, também pode ser responsável pelo menor interesse dos orquidófilos.

No entanto, é importante dizer que, na natureza, as formas não são meros aspectos estéticos. Estudiosos confirmam que elas são necessárias para garantir a sobrevivência das plantas. Por exemplo, o labelo das orquídeas muda de formato para poder se adaptar ao agente polinizador de cada espécie e, então, atraí-lo. Cores e aromas também podem apresentar o mesmo objetivo.

Portanto, pode-se afirmar que a aparência da planta é funcional. Tudo é criado pela natureza com um propósito. Tonalidades intensas ou apagadas e mesmo perfumes, sejam agradáveis ou nauseantes, favorecem o exemplar.

Fonte: http://www.plantasonya.com.br/category/orquideas-e-bromelias/page/2