Milho

Falta de chuvas preocupa produtores do milho segunda safra em MT

06/05/2014

As lavouras de milho em Mato Grosso apresentaram 25,5% da área destinada à cultura na segunda safra da temporada 13/14 semeada fora da janela ideal, e é exatamente o milho cultivado nesta área que mais preocupa os produtores no momento.

Na maioria das regiões ainda é necessária a ocorrência de chuvas para garantir o bom desenvolvimento e, consequentemente, a boa produtividade da cultura. Estima-se que 97,7% do cereal esteja ainda em fase de pendoamento, 16% em enchimento de grão e 3,8% em maturação, sendo a fase entre o pendoamento e a maturação que o milho mais precisa de água, de 5 a 7,5 mm diários, podendo chegar até a 10 mm/dia de acordo com a temperatura e a umidade do ar. Entretanto, segundo as previsões da Somar Meteorologia, para todo o mês de maio é esperada precipitação de, em média, 11,44 milímetros por município de Mato Grosso, volume bem abaixo da necessidade hídrica da planta, mesmo que o solo ainda se encontre com boa umidade atualmente.

Assim, as chuvas que ocorreram em excesso durante a colheita da soja, atrasando também a semeadura do cereal, são novamente o motivo de preocupação para os produtores, desta vez devido à possível escassez durante esta fase crucial do desenvolvimento. Desta forma, os produtores ficam à mercê da ocorrência de chuvas em maio para garantir a produção aguardada.

Mercado interno: Os preços de paridade para o milho mato-grossense no contrato com entrega para junho de 2014 na Bolsa de Chicago apresentaram relativa estabilidade no comparativo entre o início e o final de abril.

Entre o dia 1º e o dia 30 de abril, a variação registrada na média estadual de preços do cereal foi de apenas -1%, entretanto os preços oscilaram bastante no decorrer deste mês. O menor preço de paridade foi registrado no dia 9 de abril, de R$ 12,78/sc, 9% inferior ao primeiro dia de abril, influenciado, sobretudo, pelo dólar, que apresentou a menor cotação do mês nesse dia, de R$ 2,20.

Na última semana o preço médio estadual foi de R$ 13,68/sc, devido principalmente à recuperação das cotações de Chicago.

Negociações do milho: Conforme dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), foram ofertadas 75 mil toneladas do milho mato-grossense nos leilões de venda do cereal que ocorreram em abril de 2014.

As negociações efetivas representaram apenas 22,5% do volume total ofertado, o equivalente a 17,7 mil/t, com preço médio de R$ 19,5/sc. Participaram como ofertantes alguns municípios das regiões norte e sul do Estado, com preços médios de R$ 19,5/sc e R$ 22,00/sc, respectivamente, com destaque para a praça de Nova Ubiratã, que negociou 100% do cereal ofertado.

As vendas realizadas nos dias 15 e 30 de abril, que totalizaram os maiores volumes, foram feitas na modalidade Valor de Escoamento do Produto (VEP), com subvenção econômica entre R$ 2,33/sc e R$ 9,79/sc para quem escoasse o produto, variando de acordo com a origem (norte ou sul de Mato Grosso) e o destino (norte e nordeste do Estado ou Espírito Santo, Rio de Janeiro e norte de Minas Gerais).

Fonte: Universo Agro