Pecuária

Exportações de carne bovina seguem firmes em março e podem atingir o melhor desempenho dos últimos 14 meses

Publicado em 22/03/2016

Setor registra aumento tanto em relação ao mês anterior – fevereiro de 2016 – como março do ano passado

As exportações de carne bovina ‘in natura’ do Brasil até a terceira semana de março totalizaram 74 mil toneladas, um avanço de 41,7% em relação ao igual período do ano passado e, 1% na comparação com  fevereiro de 2016.

Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (21) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDCI).

Em 14 dias úteis, foram embarcados diariamente a média de 5,3 mil toneladas, contra 3,7 mil toneladas no mesmo período de 2015. Em receita, as exportações totalizaram US$ 272 milhões, com faturamento diário de US$ 19,4 mil.

“Os embarques estão bem firmes em março e se repetirmos o bom desempenho na segunda quinzena do mês vamos totalizar 115 mil de toneladas, sendo o maior volume dos últimos 14 meses”, considera o analista de mercado da Socopa Corretora, Breno Maia.

Já no acumulado do ano (janeiro e fevereiro de 2016), foram exportadas mais de 226 mil toneladas, o que representa um crescimento de 12% no volume embarcado em relação ao mesmo período do ano anterior. O faturamento acumula mais de US$ 866 milhões, apontando uma leve queda de 2% em relação a 2015, segundo dados compilados pela Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne).

Esses bons volumes exportados no início deste ano, principalmente pela abertura de novos mercado e o patamar do dólar, têm ajudado no escoamento da produção, uma vez que o cenário econômico vem prejudicando o consumo da carne bovina internamente.

Segundo analise do Haitong, “apesar dos relatos de aumento da dificuldade em fechar novos contratos de exportação para a carne bovina em nossos levantamentos no mercado interno (devido ao recuo do câmbio de R$4,00/USD para R$3,60/USD), até o momento, os volumes mostram um crescimento de +15,3% MoM e +39,7% YoY”, afirma em nota.

Por: Larissa Albuquerque
Fonte: Notícias Agrícolas