Soja

Exportação de soja do Brasil cresce em junho apesar de fretes e tem recorde no 1º semestre

Publicado em 03/07/2018

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) – As exportações de soja do Brasil cresceram 13,3 por cento em junho na comparação anual, apesar das incertezas quanto aos fretes, e foram recordes para o primeiro semestre do ano, informou nesta terça-feira a Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Foram embarcadas 10,42 milhões de toneladas no mês passado, contra pouco mais de 9 milhões um ano antes. Em relação a abril, quando o país exportou um recorde de 12,35 milhões de toneladas, houve queda de 15,6 por cento.

A retração mensal nas vendas de soja do Brasil, o maior exportador global da oleaginosa, reflete os protestos de caminhoneiros e as indefinições quanto ao tabelamento de fretes, enquanto o Supremo Tribunal Federal (STF) ainda trabalha por um acordo entre a categoria e setor produtivo.

As manifestações de maio respingaram nas programações de embarques e as discussões sobre os fretes ao longo de junho reduziram o transporte da soja até os portos.

Em meados do mês passado, a fila de navios aguardando para carregar soja do Brasil estava 60 por cento maior na comparação anual, justamente porque havia menos oferta nos terminais para embarque.

Nem mesmo a disparada do dólar ante o real estimulou negócios no setor, com gigantes como Bunge e Archer Daniels Midland (ADM) fora do mercado dado o receio sobre a obtenção de transporte.

Entidades como Anec, Acebra e Abiove emitiram comunicado ressaltando que as exportações brasileiras seriam afetadas.

O Brasil colheu neste ano um recorde de quase 120 milhões de toneladas de soja, na esteira de boas produtividades após um plantio que gerou preocupações por causa da seca.

Segundo a Secex, no primeiro semestre o Brasil exportou um recorde 46,3 milhões de toneladas de soja, mais da metade do esperado para todo o ano, de pouco mais de 70 milhões de toneladas.

(Por José Roberto Gomes)

Fonte: Reuters