Manejo

Estudo pode ajudar a combater a ferrugem do cafeeiro

23/04/2018

Um estudo realizado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (USP/Esalq), poderá ajudar produtores de café no controle e prevenção da ferrugem do cafeeiro. As análises epidemiológicas permitiram esclarecer quais variáveis ambientais influenciam no desenvolvimento da doença.

De autoria de Fernando Dill Hinnah e com orientação do professor Paulo Cesar Sentelhas, do departamento de Engenharia de Biossistemas, o estudo realizou análises epidemiológicas que permitiram esclarecer quais variáveis ambientais influenciam o seu desenvolvimento. Utilizando um banco de dados da evolução da doença e de medidas meteorológicas, verificou-se que a temperatura mínima e a umidade relativa do ar são as variáveis mais relacionadas com o desenvolvimento da ferrugem, gerando um modelo de previsão que resultou no melhor controle da doença.

A ferrugem do cafeeiro é causada pelo fungo Hemileia vastatrix, a ferrugem do cafeeiro é conhecida desde 1867, quando uma epidemia dizimou as plantações existentes no então Ceilão, atual Sri Lanka. No Brasil, a doença foi registrada pela primeira vez em 1970. “Atualmente, duas a três aplicações de fungicidas são necessárias para o seu controle, número variável conforme a favorabilidade ambiental em cada safra”, aponta o pesquisador. “Para saber se uma safra é mais favorável do que outra, e o risco das regiões de cultivo, este trabalho foi desenvolvido. Desta forma, a ferrugem do cafeeiro pode ser melhor manejada, desde a escolha de cultivares tolerantes ou resistentes em regiões favoráveis a doença, e na aplicação de fungicida na data mais adequada durante uma safra”, pondera Fernando Hinnah.

O modelo proposto foi utilizado em experimentos para controle da doença no campo, a partir de diferentes datas de aplicação dos fungicidas, em contraste às aplicações denominadas calendarizadas, que são tradicionais. “Estas aplicações calendarizadas desconsideram a influência do ambiente na evolução da doença, considerando apenas o período residual dos produtos”.

Foram mapeados sete experimentos realizados em lavouras comerciais, sendo em Varginha (2), Boa Esperança (2), Uberlândia, Campinas e Buritizal. “No geral, o sistema de alerta desenvolvido resultou no melhor controle da doença. Os modelos gerados foram pensados em facilitar a vida do produtor rural, reduzindo o potencial de resistência do patógeno ao fungicida devido as aplicações apenas quando necessário, bem como resultando no melhor controle da doença”.

Fonte: Agrolink