Produtivo

Está aberta a colheita da safra de citros no Rio Grande do Sul

25/05/2017

Com uma expectativa de produção de 162 mil toneladas de frutas no Vale do Caí, sendo 107 mil de bergamotas, 48 mil de laranja e 7,5 mil de limões, foi realizada, nesta quarta-feira (24), a XVIII Abertura Estadual da Safra de Citros, em Montenegro. A promoção da Prefeitura do município, com apoio da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi), ocorreu na propriedade do agricultor Erci Kerber, na localidade de Faxinal, e contou com a presença do prefeito Luiz Américo Aldana; do secretário de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, Tarcísio Minetto; do coordenador técnico da Câmara Setorial de Citricultura da Seapi, Paulo Lipp; além de produtores, representantes de entidades do setor e demais autoridades.

Na propriedade do casal Erci e Elisabete Kerber de cinco hectares, são cultivadas as variedades de bergamota Caí e Montenegrina. “São 1.400 pés de Caí e 1.200 de Montenegrina que vão produzir umas 70 toneladas este ano”, contou Erci. “A abertura da safra ser aqui é um momento muito especial para nós”.

Segundo Lipp, que estava representando o secretário Ernani Polo, a abertura da safra marca o início da colheita das variedades de bergamota Caí e Ponkan. Ele destacou que parte da produção de bergamota do Rio Grande do Sul está sendo comercializada para outros estados como São Paulo, Santa Catarina e Paraná. “Esse cenário deve se acentuar agora no segundo semestre, com a variedade Montenegrina”.

O pesquisador do Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária – extinta Fepagro – da Seapi, Caio Efrom, explicou que a região do Vale do Caí é conhecida por ter pequenas propriedades com muitas variedades de citros. “Aqui são cultivadas as variedades Caí, Ponkan, Montenegrina, Satsuma e Pareci. A diversificação é boa para o produtor, porque garante renda ao longo do ano”.

Conforme dados da Emater/RS-Ascar, Montenegro é o município referência na produção de bergamota no Rio Grande do Sul, pois é o principal produtor da fruta. O engenheiro agrônomo da entidade, Derli Bonine, disse que no Vale do Caí, existem 3.500 famílias de citricultores, a maioria delas em Montenegro. “É o município mais representativo, não só pela tradição e qualidade das frutas, mas pelo trabalho dos agricultores e da cadeia produtiva. Aqui há a melhor técnica de cultivo de bergamota do Brasil, desde a fertilização, passando pela poda e o tratamento fitossanitário”.

Minetto, que estava representando o governador José Ivo Sartori, afirmou ter orgulho da expectativa da colheita de citros no Estado ser de 433 mil toneladas em 2017. “No Rio Grande do Sul, são mais de 10 mil famílias que tiram sua renda da citricultura. E nós temos a responsabilidade de contribuir para que continuem assim. Essa safra será boa, mas a próxima será ainda melhor”, afirmou com entusiasmo.

BRS Rubra Cara

Na ocasião, foi lançada pela Embrapa a nova variedade de citros ornamental, BRS Rubra Cara, apropriada para cultivo em parques e jardins, com o objetivo de fortalecer diferentes nichos de mercado. A nova laranja umbigo é oriunda do Programa de Melhoramento Genético de Citros, em uma parceria entre a Embrapa Mandioca e Fruticultura (Cruz das Almas, BA) e a Embrapa Clima Temperado (Pelotas, RS), além da Embrapa Produtos e Mercado, através do Escritório de Negócios de Campinas, SP, e a Prefeitura Municipal de Montenegro. A Embrapa Produtos e Mercado fará um edital para licenciar viveiristas interessados em produzir mudas da BRS Rubra Cara no Rio Grande do Sul, e esses farão a distribuição das mudas no mercado.

São apoiadores do evento também: Emater/RS-Ascar, Grupos Organizados do Lar (Gol), Associação de Fruticultores de Montenegro, Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag/RS), Cooperativa dos Citricultores Ecológicos do Vale do Caí (Ecocitrus), Cooperativa dos Fruticultores da Agricultura Familiar (Coofrutaf) e Britagem Montenegro.

Fonte: Agrolink