Produtivo

Esalq produz mudas de citros com economia de água

Testes realizados na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da Universidade de São Paulo (USP) de Piracicaba confirmam que o controle da irrigação de mudas de citros pode reduzir em até 60% o consumo de água. O engenheiro agrônomo Eduardo Augusto Girardi comprovou que é possível produzir mudas de laranjeiras de alta qualidade usando menos água com a adoção de um sistema de monitoramento da umidade do solo.

Se feita sem nenhuma forma de controle, a irrigação pode ser responsável por até 20% do valor da muda, explica o professor da Esalq Francisco de Assis Alves Mourão Filho, orientador do estudo.

“O controle é feito por dispositivos colocados nas sacolas plásticas (por amostragem) para monitorar a umidade do substrato de cultivo. Assim é possível saber o momento correto da irrigação e evitar o desperdício de água”, informa Mourão Filho. O professor alerta ser necessária a adoção de um sistema de redução de gasto de água já que São Paulo produz 30 milhões de mudas por ano (distribuídas em mais de 500 viveiros) e boa parte dessa produção não tem controle de irrigação.

MUDAS MAIS PRECOCES

Utilizando laranjas do cultivar Valência, a mais cultivada em todo o mundo para a produção de sucos, os pesquisadores acompanharam o rendimento de mudas irrigadas pelo novo sistema (monitoramento da umidade do solo) com outras que foram irrigadas à vontade (sem controle), durante todo o processo de produção para comprovar o método. O resultado é que sem controle, cada laranjeira exigiu 114 irrigações, o equivalente a 40 litros de água. Pelo sistema de monitoramento foram 26 irrigações, consumo de 16 litros. Além da economia de quase 60%, o rendimento por pé de citro foi semelhante (92% no sistema controlado contra 97% na irrigação convencional), explica o professor.

O experimento foi feito em produção em estufa porque evita doenças e diminuiu de três para um ano o tempo para que a muda fique apta ao plantio. Desde 2001, o Estado regulamentou esse tipo de manejo. O estudo faz parte da tese de doutorado de Girardi, teve o apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e colaboração de diversos outros pesquisadores, em especial, do professor Marcos Silveira Buckeridge, do Instituto de Biociências (IB) da USP. A pesquisa foi apresentada e debatida no Congresso Internacional Campus de Excelência 2008, realizado nas Ilhas Canárias, Espanha.

Fonte: http://www.agrosoft.org.br/agropag/209540.htm