Embrapa prepara construção de abatedouro móvel

17/06/13

A idealização, validação e transferência de tecnologia ao mercado do abatedouro móvel foram discutidas na semana passada na Embrapa Suínos e Aves, unidade descentralizada da empresa de pesquisa agropecuária vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Como o nome diz, o abatedouro móvel é uma estrutura que pode ser transportada para um local fixo pré-determinado para o abate de animais, com a refrigeração e o miniprocessamento das carcaças e que garanta o tratamento dos efluentes, o bem-estar animal e a segurança dos trabalhadores. O abatedouro móvel é uma parceria de cinco unidades da Embrapa (Gado de Corte – Campo Grande/MS, Caprinos e Ovinos – Sobral/CE, Pesca e Aquicultura – Palmas/TO, Pecuária Sul – Bagé/RS e Suínos e Aves – Concórdia/SC), Mapa, Cidasc, Epagri e das empresas Engemaq de Concórdia e Licitão de Florianópolis.

“O objetivo é que o abatedouro móvel agregue valor aos produtos cárneos, com garantia de segurança alimentar e inspeção sanitária, dando uma solução mais barata para os pequenos produtores e associações que precisam do serviço do abate e inclusive diminuindo o problema dos abates clandestinos”, diz o supervisor de Articulação e Implantação de Tecnologias da Embrapa Suínos e Aves, Idair Piccinin. A intenção é construir três tipos de abatedouros, um destinado a suínos, bovinos e ruminantes; outro para aves e coelhos; e um terceiro modelo para peixes. “O momento agora é de buscar os recursos para a construção do protótipo. Depois será feita a validação dos modelos para essas diferentes espécies e o fomento para a instalação de arranjos produtivos locais para implantar os abatedouros móveis”, continua Piccinin.

O abatedouro móvel é construído sobre a carroceria de um semirreboque, com um dispositivo de engate para tornar possível seu transporte por um caminhão. “A estrutura tem todos os equipamentos necessários para abate, refrigeração e miniprocessamento das carcaças com a utilização de materiais feitos de aço inoxidável, não contaminante”, diz Daniel Galhart, engenheiro da empresa parceira Engemaq.

Outro objetivo é conseguir a inclusão do abatedouro móvel no programa Mais Alimentos, uma linha de crédito do Pronaf que financia investimentos para a modernização da agricultura familiar e no Finame (Financiamento de Máquinas e Equipamentos), com recursos do BNDES e destinado a empresas de micro e pequeno porte localizadas em qualquer região do país.

O primeiro protótipo do abatedouro móvel deve ser testado em um prazo máximo de 18 meses.

 

Fonte: http://www.agrolink.com.br/noticias/embrapa-prepara-construcao-de-abatedouro-movel_174322.html