Pecuária

Em Bozano, Rede Leite analisa complexo sistema de produção

27/12/2017

À primeira vista, os resultados da produção de leite da propriedade da família Buzetto, localizada no interior de Bozano, na região Noroeste, podem ser de fácil interpretação. Contudo, eles são o produto de um complexo sistema de produção de leite, que leva em consideração dois princípios defendidos pelo proprietário, facilidade e comodidade. Nesta quinta-feira (21/12), a família recebeu visita de um grupo da Rede Leite, composto por produtores de Ajuricaba, Augusto Pestana, Catuípe, Condor, Coronel Barros, Ijuí, Nova Ramada, Panambi, Pejuçara e Santa Bárbara do Sul.

A vice-prefeita de Bozano, Liane Buzetto, o gerente regional adjunto da Emater/RS-Ascar de Ijuí, Vito Cembranel, e a supervisora da microrregião da Emater/RS-Ascar de Ijuí, Márcia Barboza Breitenbach, também compareceram ao encontro.

O esquema de produção criado por Wlademir Buzetto classifica os 65 bovinos em vacas em lactação (32), vacas secas (7), novilhas (14), terneiras (11) e um macho. As vacas em lactação são divididas em dois lotes, por critério de produtividade, e são tratadas com distinção durante as refeições, recebendo mais ou menos alimento, de acordo com a quantidade de leite que produzem. Os animais dormem no pasto, onde permanecem até às 10h, indo buscar abrigo do sol embaixo de árvores nativas, tendo à disposição água e silagem feita de milho e aveia.

As futuras mamães recebem dieta específica. Vinte e um dias antes do parto, elas comem silagem e ração, em porções diferentes para as raças holandesa e jersey. As terneiras exigem outros cuidados. Mantidas por 90 dias ao pé de casinhas, elas se alimentam de leite, água, ração e feno. Quanto às novilhas, estão soltas nos piquetes, onde pastam, recebem silagem e ração.

IRRIGAÇÃO
Buzetto não se imagina mais produzindo leite sem irrigação. ?A irrigação é uma garantia, já que não conseguimos controlar o clima?, disse ele. Há dois anos, o produtor instalou aspersores fixos em dois hectares de pastagem e agora planeja ampliar a área irrigada para mais meio hectare. O projeto técnico é assinado pela Emater/RS-Ascar e financiado pelo Governo do Estado, por meio do Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento dos Pequenos Estabelecimentos Rurais (Feaper). ?O governo financiou 80% do projeto e o agricultor, os 20% restantes?, explicou o extensionista da Emater/RS-Ascar, Lucas Sandri.

Rede Leite
Formalmente participam da Rede Leite as seguintes instituições: Emater/RS-Ascar, Embrapa, Universidade de Cruz Alta (Unicruz), Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), Instituto Federal Farroupilha – campus Santo Augusto, Coperfamiliar e Rede Dalacto.

Fonte: Emater – RS