Motores Elétricos e a Combustão

Eletricidade e combustão

Montadora reúne jornalistas em Belo Horizonte para mostrar o Volt, o primeiro veículo elétrico produzido em escala industrial. Autonomia é de 560 kms.

  • Texto: Guilherme Lages / Etore Menin
  • Fotos: Divulgação G

O Chevrolet Volt é o primeiro representante da montadora americana para a mobilidade e combustíveis alternativos nas próximas décadas. O carro foi projetado e desenvolvido para operar em todas as temperaturas, com uma autonomia de até 560 quilômetros.

O modelo já está à venda nos Estados Unidos e aqui no Brasil, o carro ainda está em fase de experimentação. A GM preparou durante este semestre, “expedições” para jornalistas e estudantes conhecerem melhor a tecnologia. Na capital mineira, a montadora aproveitou para mostrar o carro a alunos de Engenharia da UFMG, que mostrou suas pesquisas na área de mobilidade alternativa. PISTA DE TESTES participou da ação.

QUE CARRO É ESSE?

Alimentado pelo sistema de propulsão revolucionário, batizado de Voltec, ele tem um conjunto de bateria de íon-lítio de 16 kWh e uma unidade de tração elétrica que fornece autonomia elétrica pura entre 40 e 80 quilômetros, conforme o tipo de pista, técnicas de condução e temperatura ambiente.

Um motor 1.4 a gasolina (mas que pode ser flex, se o mercado consumidor em cada país demandar) estende a autonomia até 500 quilômetros adicionais com um tanque cheio de combustível, acionando o sistema de tração elétrica do veículo até que o veículo seja conectado a uma fonte externa de eletricidade e recarregado ou reabastecido com energia.

Uma unidade elétrica de tração (que oferece 150 cv) traciona as rodas do Volt continuamente. Sempre. Posicionado sob o capô e próximo ao motor de combustão interna, agrega um par de motores elétricos e uma caixa de câmbio continuamente variável (CVT). Diferentemente de um sistema powertrain convencional, não há engrenagens escalonadas na unidade e não há ligação mecânica direta entre o motor de combustão interna e as rodas.

No interior da unidade de tração, um ou ambos os motores elétricos tracionam o veículo com base no desempenho e velocidade para otimizar a eficiência. Um dos motores elétricos atua como função dupla, seja para ajudar a tracionar as rodas, ou para operar como um gerador para manter o pacote da bateria em seu nível mínimo.

Para garantir a durabilidade a longo prazo dos motores elétricos, o fluido da transmissão é bombeado ao redor e através destas unidades para lubrificar e manter a temperatura baixa. Em adição o fio elétrico utilizado nos enrolamentos de cobre dos motores elétricos é projetado para minimizar a formação de calor.

Nas cargas e nas rotações mais altas, o segundo motor elétrico será ativado conforme necessário para eficiência. O sistema de propulsão Voltec avalia o melhor ponto de eficiência centenas de vezes por segundo, e sem descontinuidade faz a comutação da operação de um motor elétrico para dois motores elétricos para utilizar o mínimo de energia possível e ao mesmo tempo atender às necessidades do motorista.

O que diferencia o Volt dos demais veículos elétricos é a sua capacidade de funcionamento quando a bateria estiver quase completamente descarregada – um dispositivo prático que elimina as limitações de autonomia associadas aos veículos unicamente elétricos. Os quase 500 quilômetros de autonomia estendida do Volt são conseguidos por conta da geração de energia do motor a gasolina de 84 cavalos.

O Volt roda melhor com gasolina Premium uma vez que otimiza o desempenho do motor de combustão interna e garante economia máxima de combustível durante o funcionamento no modo de autonomia estendida.

O procedimento de carga da bateria do Volt é simples e nas tomadas convencionais da sua casa de 120V (10 a 12 horas de carga), ou através de uma estação de carga dedicada de 240V (4 horas).

SILÊNCIO NAS RUAS

Segundo a montadora, o Volt chega a velocidade máxima de 160 km/h. O uso misto dos motores está assim dividido: em média 60 km com motor elétrico e até 500 km com motor à combustão.

Silêncio absoluto ao dar a partida no carro. Ele não precisa da chave para dar a partida, que é feita através de um botão. Basta pisar no pedal do freio e pressioná-lo e estamos prontos para partir. Só dá para perceber que o carro está ligado se voce conferir as duas telas de LCD do carro. Uma no centro do painel e outra na frente do motorista, que trazem várias informações, como a quantidade de carga da bateria e a sua autonomia instantânea do Volt.

Pé no acelerador para desfrutar dos 150 cavalos que o motor elétrico guarda para nossa avaliação, potência suficiente para movimentar os quase 1.800 kg de peso total do veículo – 200 kg fica na conta do conjunto de baterias de íons de lítio.

A velocidade é limitada a 160 km/h por causa das baterias que possui um super sistema de refrigeração para mantê-las em uma temperatura que permita sua duração por 10 anos. Um certo desconforto no interior do carro foi notado por que no vão central e embaixo dos bancos traseiros, ficam alojadas as baterias.

O carro possui vários sistemas que monitoram todo o comportamento do veículo, para evitar panes e mantê-lo em perfeito funcionamento. Se o percurso diário durante 6 semanas utilizou somente a carga da bateria, o carro pergunta ao motorista se ele deseja acionar o motor a combustão, para que o motor à combustão seja lubrificado e não se danifique pela falta de utilização. O motorista pode responder não até 5 vezes à pergunta, depois disso, o motor será acionado de qualquer forma pelo sistema.´

Nos Estados Unidos seu preço é de 41.000 dólares e a montadora não tem a intenção de comercializar essa primeira versão no Brasil, pois seu preço final ficaria muito alto.

 

Fonte: http://www.pistadetestes.com.br/site/teste/eletrecidade-e-combustao.565.html