Curiosidades

‘Efeito Trump’ poderá beneficiar mercado de carnes brasileiro

Publicado em 10/01/2017

Desvalorização do real frente ao dólar e quebra de acordos comerciais deverá elevar embarques brasileiros

Com a posse oficial marcada para o próximo dia 20 de janeiro, o mundo volta suas atenções às expectativas de discurso do novo presidente norte-americano, Donald Trump, e como suas palavras e ações poderão afetar o comércio mundial.

Mas, apesar do nacionalismo de Trump pregado durante o período eleitoral ter assustado muita gente mundo a fora, essa postura poderá afetar positivamente as exportações de carnes pelo Brasil.

As promessas de rever acordos comerciais e de elevar os juros, teriam impactos diretos na relação dólar/real e no relacionamento dos Estados Unidos com importantes consumidores de carnes.

Especialmente com a expectativa de mais um ano complicado no Brasil, é para fora do país que se voltam os abates da indústria de frango, suínos e bovinos.

A estimativa inicial da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), aponta para crescimento nos embarques de carne bovina do Brasil  para 1,5 milhão de toneladas em 2017, após ficarem estagnadas em 1,4 milhão de toneladas em 2016.

Para o analista da Radar Investimentos, Douglas Coelho, “a interpretação do que Trump dirá dia 20 poderá, sim, ser relevante para esse mercado. Até mesmo podendo afetar as estimativas de exportação nos próximos meses”.

“Atividade americana dando sinais de melhora, poderia trazer mais força ao dólar frente real, deixando as carnes brasileiras mais competitivas no mercado internacional”, diz Coelho. No relatório Focus divulgado na segunda-feira (9), a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fechamento de 2017, foi estimado em R$ 3,45, contra dólar atual na casa de R$ 3,19.

O analista da Scot Consultoria, Alex Santos Lopes, também destaca que a desvalorização do real  deve mesmo ser o primeiro efeito a ser sentido no mercado nacional. “Eles prometem elevar os juros, com isso teríamos uma fuga de dólar aos Estados Unidos e com a valorização da moeda americana frente ao real, a possibilidade de conseguirmos exportar mais”, acrescenta.

Não só o cambio, mas abertura de outros mercados – que poderiam ter seus relacionamentos estremecidos com Trump – seria benéfica ao Brasil. Em termos mais gerais, Trump prometeu cancelar acordos de livre-comércio, como o Nafta (com México e Canadá) e o TPP (com China e países do Pacífico).

Neste contexto, o Brasil teria chances de fazer frente a importantes mercados, como México e Japão. Conforme a Abiec, estão “aceleradas” negociações com o governo mexicano, para abolir impostos em relação à importação de carne bovina.

As visões menos otimistas lembram, porém, que a política de subsídios à produção agrícola norte-americana é definida na Farm Bill, a lei plurianual periodicamente revisada. A próxima revisão deve ser em 2018 e pode trazer medidas protecionistas ao setor agropecuário.

“No caso da carne bovina, as proteções só não ocorrerão caso a produção interna não seja suficiente para atender a demanda “, acredita o analista de pecuária de corte da Rural Business, Júlio Brissac.

Mas, Lopes acentua que a possibilidade de quebra do acordo comercial recentemente estabelecido com o Brasil ‘sequer entrou no radar das discussões’, portanto, apesar de existirem, as chances seriam pequenas, ao menos no curto prazo.

Até o final de novembro, o Brasil exportou apenas 500 toneladas para os Estados Unidos, volume pequeno, mas simbólico para celebrar 17 anos de negociações entre os dois países e um importante selo para efetivação de novos mercados.

Vale ressaltar também, que as projeções indicam redução na produção da Austrália neste ano – um dos principais concorrentes do produto brasileiro -, fator que também colaborará para que o Brasil se posicione no mercado internacional em 2017.

Por outro lado, análise da Rural Business destaca que as grandes medidas anunciadas durante a campanha presidencial podem não se concretizar por pressão ou imposição de setores diversos da economia dos EUA.

Granjeiros

Segundo previsões da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) as exportações de carne suína devem aumentar até 5% em 2017. Enquanto prevê uma elevação de 3% a 5% tanto na produção, quanto nas exportações de carne de frango.

Dentre outros fatores, o presidente da ABPA, Francisco Turra, destaca o chamado ‘Efeito Trump’ como potencializador dos embarques nacionais do setor granjeiro. A política externa do presidente eleito dos Estados Unidos poderá colocar o México mais perto do Brasil.

Os mexicanos têm uma demanda grande por frango e por suínos e,  recentemente, elegeram o Brasil como uma nova fonte de mercado.

Contudo, para a indústria brasileira de carne de frango, a ascensão de Trump pode significar futuramente uma concorrência maior na Rússia, pela proximidade dele com o presidente Vladimir Putin. Mas, que poderia ser recompensado pelo México.

Assim como na carne bovina, outro ponto de atenção do setor granjeiro é o câmbio. Desde o terceiro trimestre o dólar voltou a se aproximar de R$ 3,50. Segundo Turra, o valor é considerado ideal pelos exportadores de aves e de suínos, e poderá se manter nesses patamares a depender da política econômica desenvolvida pelo novo governo norte-americano.

Agora, a incógnita está relacionada aos Estados Unidos e aos reflexos das estratégias efetivas que serão colocadas em vigor pelo governo do presidente eleito Donald Trump.

Por: Larissa Albuquerque
Fonte: Notícias Agrícolas