Variedades

DNA de café brasileiro abre caminho para melhorar a bebida

A chave para produzir um café ainda mais saboroso do que o disponível hoje provavelmente está no DNA de um dos ancestrais do cafeeiro, uma plantinha desprezada pelos agrônomos por ser frágil e difícil de cultivar.

É justamente essa espécie, a Coffea eugenioides, a responsável por legar aos frutos do cafeeiro mais cultivado comercialmente as características mais cobiçadas, como o alto teor de açúcares.

Num estranho caso de dupla personalidade biológica, os genes da C. eugenioides ainda se manifestam de forma independente no organismo da planta cultivada.

Isso porque o C. arabica, cafeeiro mais comum no planeta hoje é um híbrido, resultado do cruzamento natural entre a C. eugenioides e outra espécie, a C. canephora, há cerca de 1 milhão de anos.

“Sabe quando a gente diz que Fulano tem os olhos da mãe e o nariz do pai? É mais ou menos isso, só que depois de um número muitíssimo maior de gerações”, explica Gonçalo Guimarães Pereira, pesquisador da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Pereira é um dos autores de dois mapeamentos recentes sobre os genes ativos no C. arabica e no C. canephora, junto com Ramon Vidal (também da Unicamp), Jorge Mondego, do Instituto Agronômico de Campinas, e David Pot, do centro de pesquisas francês Cirad.

Já era esperado um considerável grau de esquisitice no genoma do C. arabica. É que quando as duas espécies “mães” da planta se cruzaram há cerca de 1 milhão de anos, o material genético do vegetal-filho foi duplicado.

Cópias de cromossomos – Em vez de duas cópias de cada cromossomo, como ocorre com os seres humanos, o genoma do C. arabica tem quatro cópias de cada cromossomo. “Só que a diferença de origem se manteve. É como se houvessem dois subgenomas”, diz Pereira.

Esse fenômeno se manifesta até no nível dos tecidos da planta – é como se boa parte dos frutos derivasse apenas da “receita” presente numa das espécies ancestrais, enquanto as raízes viessem da outra espécie-mãe.

No caso, a maneira como a planta comercial processa moléculas como carboidratos e alcaloides parece depender, em grande medida, da C. eugenioides.

Isso não é mera curiosidade: se quiserem plantas com mais qualidade, os produtores muito provavelmente vão precisar cruzar suas variedades com a planta. “E hoje ela é totalmente negligenciada. Para achar um exemplar aqui no Brasil foi um custo”, diz Pereira, brincando que ela “é praticamente um matinho”.

Para o especialista, o conhecimento pode dar um empurrãozinho na qualidade da safra cafeeira do Brasil, que hoje produz poucos cafés considerados mais finos.

As pesquisas estão nas revistas científicas “Plant Physiology” e “BMC Plant Biology”. A equipe recebeu apoio do Consórcio Pesquisa Café e da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). (Fonte: Reinaldo José Lopes/ Folha.com)

Fonte: http://noticias.ambientebrasil.com.br/clipping/2011/03/30/68136-dna-de-cafe-brasileiro-abre-caminho-para-melhorar-a-bebida.html